Bandeira do Cazaquistão
Bandeira do Cazaquistão

O Cazaquistão se tornou notícia no mundo e, em meio a protestos, o presidente do país aceitou a renúncia de seu governo. A manifestação começou devido ao aumento do gás liquefeito de petróleo (GLP), que dobrou de valor. Há informações de que quase 8 mil pessoas foram detidas desde o início dos protestos, e mais de 160 foram mortas, incluindo três crianças.

Enquanto o país passa por este momento de turbulência, os cristãos se preocupam também com as possíveis mudanças na Lei da Religião. O presidente Tokayev assinou a lei em 29 de dezembro, mas ainda é possível que essa nova lei não seja executada.

“Vemos a rapidez com a qual a situação de um país pode mudar, como está em Salmos 46.6: ‘Nações se agitam, reinos se abalam; ele ergue a voz, e a terra se derrete’”, disse Jan de Vries (pseudônimo), parceiro da Portas Abertas na Ásia Central.

O Ministério da Informação e Desenvolvimento Social do Cazaquistão, que decreta o controle sobre o exercício da liberdade de religião ou crença, preparou mudanças na Lei da Religião. As mudanças previstas têm o intuito de dificultar a realização de reuniões cristãs, e isso afetaria consideravelmente as igrejas que não são registradas.

Cenário de caos

Um líder da igreja local disse que sente como na Perestroika. A Perestroika foi um plano de reestruturação econômica da antiga União Soviética, porém, não obteve sucesso, e transformou o período em um caos econômico. A pobreza foi espalhada e os benefícios sociais removidos.

“Tudo que acontece neste momento me lembra a época da Perestroika. As lojas estavam fechadas, como agora. Há longas filas para o pão, e só podemos comprar uma unidade. Ouvi dizer que uma mãe de cinco filhos, querendo alimentar a sua família, pediu para comprar pelo menos um pão extra e não pôde. A situação também é complicada pelo fato de que existem pessoas roubando lojas e roubando outras pessoas. Como igreja, nos mantemos calmos e oramos pelo nosso país. O que pode ser bom dentro dessa agitação política é que a nova lei religiosa não será executada. Essa nova lei afetaria as muitas igrejas domésticas que não têm registro legal”, conta o líder da igreja local.

Apesar de o Cazaquistão ter passado por uma grande reforma governamental, a perseguição aos cristãos no país não mudou ao longo dos anos. A legislação restringe a capacidade de adorar livremente. E as autoridades aumentaram o controle sobre a expressão religiosa no país, o que significa aumento da vigilância, incursões em reuniões e prisões na igreja. O governo usa a ameaça do islã militante para restringir mais liberdades.

Fonte: Portas Abertas


Comentários