Dízimo e oferta
Dízimo e oferta

Cerca de 65% das igrejas têm visto uma queda nos dízimos e ofertas desde o início de março, quando as congregações tiveram que suspender os cultos presenciais devido ao coronavírus, de acordo com uma nova pesquisa realizada nos Estados Unidos.

A pesquisa State of the Plate foi divulgada pela Associação Nacional de Evangélicos dos EUA (NAE, na sigla em inglês). 

Segundo a análise, 34% das igrejas relataram uma queda de 10% a 20% nas doações; 22% das igrejas tiveram declínio de 30% a 50% e 9% das igrejas sofreram uma queda de 75% ou mais nas doações. Apenas 8% das igrejas disseram que as doações aumentaram em 27%.

A pesquisa, realizada entre 8 e 20 de abril com 1.091 igrejas protestantes nos EUA, teve a participação de organizações como Christian Church Today’s Law & Tax e a iniciativa NAE Financial Health.

Segundo o editor da pesquisa, Brian Kluth, a arrecadação das igrejas com o Covid-19 é muito menor se comparada à Grande Recessão, um período de declínio econômico nos mercados mundiais entre o final dos anos 2000 e início de 2010.

“O surpreendente é que é muito mais profundo e abrangente do que na recessão. Esta é uma grande mudança”, disse Kluth.

Na pesquisa State of the Plate de 2010, 38% das igrejas relataram uma queda de doações em 2009, em comparação com o ano anterior. Outras 35% disseram que as doações haviam aumentado e 27% disseram que as contribuições eram rasas.

Embora a nova pesquisa tenha encontrado uma queda maior nas doações, 48% das igrejas disseram que as visualizações dos cultos online cresceram o dobro ou mais que a frequência presencial.

Apoio às igrejas

Kluth, que também é porta-voz do movimento Bless Your Pastor (Abençoe Seu Pastor) do NAE, incentiva os fiéis a encontrar maneiras práticas de demonstrar apreço aos pastores e funcionários da igreja, como por exemplo, entregar uma oferta de gratidão.

Ele acredita que as ofertas em dinheiro de ajuda aos líderes e funcionários da igreja são agora fundamentais, pois as congregações enfrentarão um grande desafio para se recuperar dos efeitos financeiros do Covid-19.

“Isso será realmente importante este ano, porque muitas igrejas verão seus orçamentos e sua folha de pagamento sendo afetados”, disse Kluth. “Então, se você é barbeiro, corte o cabelo deles; se você é mecânico, conserte o carro deles; se você cultiva vegetais, compartilhe seus vegetais”.

Uma outra pesquisa publicada na terça-feira (21) mostra que a suspensão de cultos devido ao coronavírus afetou os resultados de muitas igrejas.

Cerca de 60% dos pastores viram uma redução nas doações, segundo uma pesquisa feita em parceria entre o Centro Billy Graham, Exponential e Leadership Network.

“O mais preocupante são os 11% dos pastores e líderes que responderam que as doações caíram em pelo menos 50%”, diz o relatório. No entanto, essa pesquisa também mostrou que a maioria dos líderes de igrejas relataram otimismo sobre sua situação financeira.

No fim de março, o Grupo Barna entrevistou pastores e descobriu que 79% relataram queda nas doações financeiras. Por outro lado, 54% dos pastores disseram que a presença online nos cultos tem sido maior do que a frequência presencial.

Fonte: Guia-me com informações de Religion News Service