No seu primeiro dia no Senado, a ex-ministra e senadora Marina Silva (PT-AC), evangélica da Assembléia de Deus, evitou nesta terça-feira criticar o governo federal. A petista afirmou que os dados sobre o aumento de desmatamento “são alarmantes” e elogiou as medidas anunciadas pelo Ministério do Meio Ambiente.

“[Os dados] são alarmantes, mas as medidas são corretas”, afirmou Marina. Informando que não fará oposição acirrada ao governo, a ex-ministra disse que tinha um lema de vida: “Sempre costumo fazer a aeróbica do bem”.

Marina afirmou que prepara um pronunciamento para ser feito nesta quarta-feira à tarde. Depois de quase cinco anos e meio no governo, a senadora deixou o governo no mês passado, mas promete “lutar” pelos interesses do país.

“Não fiz oposição cerrada nem durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Vou defender temas [de interesse] do governo”, afirmou Marina.

Ao ser questionada sobre as posição críticas do governador do Mato Grosso, Blairo Maggi (PR) sobre a política ambiental, Marina sugeriu que ele se esforce para somar forças à campanha de preservação e defesa do meio ambiente.

Marina deixou o Ministério do Meio Ambiente depois de uma série de embates com setores do governo. De acordo com aliados dela, o que teria provocado sua decisão foi o fato de o PAS (Programa da Amazônia Sustentável) ficar sob comando do ministro Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos).

Após a saída de Marina, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou desfazer a imagem negativa provocada por seu pedido de demissão. Em várias ocasiões, Lula ressaltou o bom relacionamento entre ambos e a amizade que os unia.

Fonte: Folha Online