O grupo de defesa LGBT da Igreja Episcopal Integrity USA desfila nesta foto enviada ao Facebook em março de 2012. | Facebook / Integridade EUA
O grupo de defesa LGBT da Igreja Episcopal Integrity USA desfila nesta foto enviada ao Facebook em março de 2012. | Facebook / Integridade EUA

A maioria dos pastores protestantes nos Estados Unidos ainda desaprova as relações entre pessoas do mesmo sexo, mas a aprovação geral aumentou em grande parte devido aos pastores da linha principal (mainline), revela um novo estudo da LifeWay Research.

As igrejas mainlines ou da linha principal, são denominações mais antigas em cada família denominacional (e anteriormente as maiores) com maior ênfase em obras sociais, com postura mais progressista e ecumênica. Exemplo: Igreja Presbiteriana (EUA), Convenção Batista Americana, Igreja Episcopal (EUA), Igreja Evangélica Luterana na América, Igreja Reformada na América, Igreja Unida de Cristo e Igreja Metodista Unida, entre outras.

Apenas cerca de 8% dos pastores protestantes evangélicos dizem que não têm problemas com o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e sua porcentagem permanece a mesma desde 2010, de acordo com esta nova pesquisa.

No entanto, o apoio entre os principais pastores protestantes, para o casamento entre pessoas do mesmo sexo saltou de um terço (32%) em 2010 para quase metade (47%) em 2020.

O estudo sugere que os pastores presbiterianos ou reformados (49%), metodistas (47%), luteranos (35%) e os da Igreja de Cristo (20%) têm maior probabilidade de não ver nada de errado com o casamento entre pessoas do mesmo sexo do que os Batistas (3%) ou pastores pentecostais (1%).

Scott McConnell, diretor executivo da LifeWay Research, diz que os dados devem ser interpretados com cautela. “A estabilidade na visão dos pastores evangélicos significa que não houve crescimento na aceitação do casamento entre pessoas do mesmo sexo entre eles ou que os pastores que não têm mais reservas morais sobre ele não se identificam mais como evangélicos”.

Na semana passada, a Diocese Episcopal de Michigan consagrou sua primeira bispa abertamente lésbica, a Rev. Bonnie A. Perry.

Anna Stania, diretora de comunicações da diocese, disse ao The Christian Post que a candidatura de Perry não recebeu oposição por causa de sua orientação sexual. “Temos experimentado uma manifestação esmagadora de alegria, graça e entusiasmo desde sua eleição e consagração.”

O estudo também indica que os pastores brancos (27%) têm mais chances de ver nada de errado no casamento entre pessoas do mesmo sexo do que os pastores afro-americanos (15%) ou pastores de outras etnias (6%).

Além disso, sugere que aqueles com doutorado (27%) ou mestrado (32%) têm maior probabilidade de apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo do que os pastores com um diploma de bacharel (9%) ou sem diploma (6%).

Os resultados da pesquisa também mostram que os pastores de igrejas com menos de 50 participantes (33%) são mais propensos a apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo do que aqueles em igrejas com 100 ou mais participantes (19%).

“O movimento que vemos entre as opiniões dos pastores sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo tem menos a ver com a tradição denominacional do que a visão da Bíblia”, explica McConnell. “Um distintivo evangélico é a autoridade suprema que a Bíblia tem sobre as crenças, apesar de mudar as perspectivas culturais. Não é surpreendente, então, que pastores evangélicos de diferentes denominações continuem a ver o casamento entre pessoas do mesmo sexo como errado por essas lentes. ”

No mês passado, os líderes da Igreja Metodista Unida propuseram um plano que dividiria formalmente a denominação após anos de divisão sobre clérigos LGBT não celibatários e casamento entre pessoas do mesmo sexo, com a formação de uma nova denominação para os metodistas que mantêm um entendimento bíblico do casamento e sexualidade.

No geral, 24% dos pastores dizem que não veem nada errado com duas pessoas do mesmo sexo se casando – acima dos 20% em 2018 e 15% em 2010, de acordo com a LifeWay. E 72% dos pastores discordam e 67% discordam totalmente.

“Mais de quatro anos após a Suprema Corte legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo em todos os 50 estados, a maioria dos pastores protestantes ainda vê um problema moral com isso”, disse McConnell. “Mais pastores são protetores do próprio casamento, mas as uniões civis legais também são vistas como erradas pela maioria dos pastores.”

Folha Gospel com informações de The Christian Post