Presidiário lendo a Bìblia
Presidiário lendo a Bìblia

Na Argentina, a Igreja Católica Romana continua sendo a religião principal. Mas uma pesquisa divulgada pelo Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET) mostra que o percentual de católicos argentinos caiu de 76,5% para 62,9% entre 2008 e 2019.

Enquanto isso, a proporção de evangélicos cresceu de 9% para 15,3% no mesmo período.

Segundo a pesquisadora do CONICET, Verónica Giménez, o avanço evangélico na Argentina ocorreu, como na maioria dos países latino-americanos, em todos os setores, mas principalmente entre “os mais vulneráveis, inclusive presidiários”.

Walter Gálvez, subsecretário de Assuntos Penitenciários, que também é pentecostal, estima que 40% dos cerca de 6.900 internos da província argentina de Santa Fé vivem em celas evangélicas.

De assassino a pastor

Em Rosário, que tem uma população de cerca de 1,3 milhão de habitantes e altos níveis de pobreza e criminalidade, as prisões estão cheias de membros de gangues que buscam controlar o território e os mercados de drogas .

Oitenta por cento dos crimes em Rosário são cometidos por jovens pistoleiros que prestam serviços a gangues de traficantes, cujos líderes estão presos e mantêm o controle do crime nas prisões.

Jorge Anguilante, um presidiário da prisão Piñero (Rosário), volta para casa todo fim de semana para ministrar em uma pequena igreja evangélica que ele começou em uma garagem na cidade mais violenta da Argentina. Na saída, o ex-criminoso que virou pastor cumprimenta os guardas com uma única palavra: “Bênçãos”.

Sua história, de um assassino condenado abraçando uma fé evangélica atrás das grades, é comum nas masmorras de Santa Fé. Muitos começaram a vender drogas quando adolescentes e foram apanhados em uma espiral de violência que levou alguns para seus túmulos e outros para prisões superlotadas divididas entre duas forças: os evangélicos e os traficantes de drogas.

Anguilante garante que a sua vida violenta ficou para trás, que a “ Palavra de Deus me fez um novo homem ”. Ele foi condenado em 2014 a 12 anos de prisão por assassinar um homem de 24 anos.

As autoridades penitenciárias da Argentina permitiram a criação de blocos evangélicos. (Foto: Instagram/ Pastor Oscar Jesús Sensini).
As autoridades penitenciárias da Argentina permitiram a criação de blocos evangélicos. (Foto: Instagram/ Pastor Oscar Jesús Sensini).

Oásis dentro da prisão

Nos últimos 20 anos, as autoridades penitenciárias argentinas têm incentivado, de uma forma ou de outra, a criação de unidades dirigidas por presidiários evangélicos , às vezes concedendo-lhes alguns privilégios extras, como mais tempo ao ar livre.

As alas são muito semelhantes às do resto da prisão: limpas e pintadas em azul claro ou verde. Eles têm cozinhas, televisões e equipamentos de rádio, aqui usados ​​para as orações. Mas eles são mais seguros e silenciosos do que as unidades regulares .

A violação das regras que proíbem brigas, fumo, álcool ou drogas pode fazer com que um preso seja mandado de volta para a prisão regular.

“Trazemos paz às prisões. Nunca houve qualquer perturbação dentro das enfermarias evangélicas . E isso é melhor para as autoridades”, diz David Sensini, pastor de uma das maiores igrejas pentecostais de Rosário.

O acesso é controlado por funcionários da prisão e líderes da ala que servem como pastores e são cautelosos com as tentativas de infiltração de gangues, controlando permanentemente quem entra.

folha Gospel com informações de Evangelical Focus


Comentários