Hazel Lewis
Hazel Lewis

A polícia prendeu Hazel Lewis, de 49 anos, em 12 de fevereiro de 2020, do lado de fora da estação de metrô Finsbury Park, no norte de Londres, por supostamente fazer comentários homofóbicos e racistas. Vários membros da comunidade a defenderam durante a prisão, perguntando à polícia “Que lei ela violou?”.

As alegações contra Lewis incluíam fazer uma criança chorar e usar uma linguagem hostil para com um cidadão. A polícia também a acusou de assédio, alarme e sofrimento.

Apoiada pelo Christian Legal Center, a pregadora de rua enfrentou um julgamento completo no Highbury Corner Magistrates Court.

Em uma decisão da semana passada, a juíza distrital Julia Newton observou: “A ré teria dito: ‘Você é um advogado de Satanás e eu o repreendo em nome de Jesus’. Não acho essas palavras ameaçadoras. Essas palavras foram certamente discordava. Não acho que elas fossem abusivas também.”

“Além disso, em relação à alegação de provocar angústia. É claro que (uma testemunha) ficou perturbada e as considerou desagradáveis. Ela disse que outras pessoas estavam angustiadas. Dizer que estava angustiada e que achou essas palavras desagradáveis não equivale a assédio, alarme ou [provocação] de angústia”, observou ela.

A juíza também disse que “não há evidências de por que as crianças choravam. Embora houvesse muito barulho, havia muitas coisas que poderiam ter levado as crianças a chorar. Acho que não há como responder.”

Após 18 meses de processos judiciais em andamento, Lewis agora planeja processar a polícia.

“Tudo o que eu fazia era pregar o Evangelho de Jesus Cristo e fui presa por isso”, disse ela. “Há perigos nas ruas – tive urina jogada em mim e fui ameaçada, mas os cristãos são chamados a pregar o Evangelho da salvação e esperança em qualquer situação, não importa o quão difícil seja, então não tenho medo”.

“Apesar dessa experiência, estou determinada a continuar pregando. Desde o início da pandemia, tenho visto cada vez mais cristãos tomando as ruas de Londres para pregar”, contou.

Andrea Williams, chefe-executiva do Christian Legal Center, chamou Lewis de “mulher cristã corajosa” por sua determinação em refutar as acusações infundadas de discurso de ódio contra ela.

“É assustador que uma falsa acusação à polícia possa ver uma mulher pregando sobre si mesma, algemada, presa e processada”, afirmou Williams. “A polícia estava determinada a acusá-la independentemente das evidências, e estamos aliviados que os tribunais tenham percebido isso.”

Fonte: Guia-me com informações da CBN News