Igreja destruída próximo a Tal Tamer, no nordeste da Síria (Imagem: New York Times)
Igreja destruída próximo a Tal Tamer, no nordeste da Síria (Imagem: New York Times)

Com tantos desafios para lidar, a igreja na Síria alegra-se com as celebrações deste fim de ano, afinal Cristo é a luz que traz esperança. Saiba como os cristãos perseguidos celebram o nascimento de Jesus na Síria. Além do país continuar em meio à guerra, famílias foram separadas e as dificuldades econômicas são difíceis de serem superadas.

Uma das tradições natalinas que se perdeu em meio ao conflito foi a iluminação das casas. Isso se deu por causa do medo das pessoas em serem notadas e alvejadas durante a noite.

No ano passado, a iluminação anual da árvore de Natal à nordeste de Aleppo contou apenas com a presença de escoteiros. Neste ano, há duas árvores iluminadas, uma em Aleppo e outra em Laodiceia.

O “Coral da Alegria”, fundado em 1977, também deve fazer seu concerto anual. O líder cristão, Elias Zahlawi, deu início ao coral para reunir jovens e criar uma cultura musical de paz e harmonia. Ele acredita que essa é uma forma de lembrar que os cristãos ainda estão no país.

Neste ano, doações estão sendo recolhidas e o dinheiro será distribuído para famílias pobres. As mulheres são responsáveis pelo Bazar de Natal, que encoraja diversas mulheres de todo o país a venderem seus artesanatos.

A comida é outra parte importante da cultura síria, o estar reunido em família. Geralmente os membros se reúnem, enquanto as mulheres preparam o jantar com arroz e frango, tabule e tortas.

O pastor Edward, de Damasco, conta ainda que “as pessoas querem desfiles e grandes festas, especialmente depois de anos difíceis. O governo dá total liberdade para celebrar e apoia tais celebrações, o que é bom, é maravilhoso. Mas o desafio é realmente trazer a verdadeira mensagem do Natal, a mensagem de amor e da vinda de Jesus”.

Mensagem do Natal

O pastor tem uma equipe com “ideias de como realmente chamar a atenção das pessoas e apresentar a mensagem do Natal de uma forma relevante mediante seu sofrimento e dor”, quanto à perda de familiares, salários escassos e aumento de problemas médicos.

“Essa é uma contradição. Quando Cristo nasceu, não eram celebrados Natais, havia apenas corações quebrados e dor por todo lado, o que justifica seu trabalho. É por isso que ele veio”, explica.

Os cristãos da Síria são fortes e parecem saber lidar com a maioria das situações, mesmo que isso signifique reuniões familiares para refeição, apesar do custo, ligações para pessoas queridas que estão fora do país e, até mesmo a lembrança de que celebrar com familiares pode ser a menor das preocupações.

Ao menos nessa época, as pessoas podem olhar e ver a esperança que os pastores e os sábios viram em meio à escuridão.

Presentes de esperança

Ajude a dar mais esperança aos cristãos sírios. Com a sua doação, duas crianças da Síria receberão uma Bíblia cada, permitindo que elas conheçam ainda mais a história de quando Cristo veio ao mundo e toda a mensagem de salvação.

Fonte: Missão Portas Abertas