Joe Biden, eleito novo presidente dos EUA
Joe Biden, eleito novo presidente dos EUA

Os líderes cristãos dos EUA acessaram o Twitter no fim de semana para pedir às pessoas que orassem por Joe Biden e pela nação após sua vitória eleitoral.

O presidente da Convenção Batista do Sul, JD Greear, convidou os cristãos a se juntarem a ele na oração por Biden e pelo país.

“Ore por sabedoria, justiça e verdade. Oro por sucesso onde ele conduz no que é justo e correto”, disse ele.

Russel Moore, presidente da Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul, pediu aos cristãos que orassem independentemente de apoiarem Biden politicamente ou não. 

“Não importa como você votou, agora é a hora de orar pelo país e por nossos líderes recém-eleitos na Casa Branca e no Congresso”, disse Moore.

“Se o governo ou a ideologia são um ídolo para nós, então as apostas são sempre apocalípticas e existenciais.

“Se buscarmos primeiro o reino de Deus, então podemos pedir a Deus que faça o bem de nossos líderes – responsabilizá-los quando não o fizerem e elogiá-los quando o fizerem, sem verificar primeiro se orar por eles é para a vantagem ou desvantagem de qualquer que seja nossa ‘tribo’ temporal. “

O republicano Jeb Bush disse que estava orando por Biden e pela cura.

“Eu orei por nosso presidente a maior parte da minha vida adulta. Estarei orando por você e seu sucesso. Agora é a hora de curar feridas profundas. Muitos estão contando com você para liderar o caminho”, disse ele.

O pastor Franklin Graham, um forte apoiador de Donald Trump, disse que sua oração é para que “os americanos se unam”.

Em uma homenagem no Facebook a seu falecido pai, Billy Graham, no dia em que teria sido seu 102º aniversário, o pastor disse que se ele ainda estivesse vivo, “iria encorajar os americanos em todos os lugares a orar pelo futuro de nossa nação e pela direção política que poderia vir”.

Na semana passada, Graham disse temer uma situação mais difícil para os cristãos sob o governo Biden. Falando com Tony Perkins, presidente do Conselho de Pesquisa da Família, Graham disse que sob o governo Obama havia “muitos ativistas na Casa Branca que queriam promover o ódio da agenda gay”.

“Eles tinham como alvo o fechamento das empresas — floristas, confeiteiros, pessoas que se recusaram a participar de um casamento gay”.

Ele continuou: “Eu acho que se o partido democrata vencer novamente, eles voltarão com aquela agenda e estarão procurando empresas e ministérios como alvo, para tirá-los do mercado ou até mesmo colocá-los na prisão”.

Graham disse que os cristãos continuariam a fazer seu trabalho, mas “pode ​​nos custar mais, pode haver pessoas que vão para a prisão”. Ele acrescentou: “Mas vamos fazendo a obra para a qual Deus nos chamou e não ter medo do que vai ou não acontecer”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post