Ônibus Kilas que foi emboscado pelos terroristas do Al Shabaab
Ônibus Kilas que foi emboscado pelos terroristas do Al Shabaab

Militantes do Al-Shabaab executaram dois cristãos no Quênia depois de atacarem um ônibus e forçar os passageiros a recitar a declaração de fé islâmica.

O grupo International Christian Concern (ICC) disse que o ataque aconteceu na sexta-feira, quando sete militantes islâmicos do grupo terrorista pararam um ônibus que estava indo para Garissa.

Como fizeram em numerosos ataques anteriores, os radicais al-Shabaab forçaram os passageiros a apresentar seus cartões de identificação e os separaram por nomes muçulmanos e cristãos.

Eles forçaram os não-muçulmanos a recitar a Shahada ou a declaração de fé islâmica. As duas pessoas, aparentemente cristãs, que não conseguiram recitá-lo, foram executadas no local.

A Shahada é uma declaração de fé necessária para que uma pessoa se converta ao Islã. Nela são feitas as seguintes afirmações: Não há outro deus além de Allah; Muhammad é o mensageiro de Allah; Não outra divindade além de Allah; Muhammad é o seu profeta; Não há outro deus além de Alla; Muhammad é servo e mensageiro de Allah; Não há deus senão Allah, e Muhammad é seu mensageiro.

“O ICC está acompanhando as famílias desses dois mártires. O intenso ódio e a violência desse grupo causaram dor imensa a muitas famílias e amigos de cristãos como esses dois”, disse o grupo de vigilância.

“Os governos do Quênia e da Somália devem continuar trabalhando para acabar com as terríveis atrocidades cometidas por essa organização maligna e proteger as vidas dos cristãos no Quênia”, acrescentou.

O jornal “A estrela do Quênia” também relatou o ataque, e observou que, de acordo com uma testemunha, três pessoas foram inicialmente testadas recitando a shahada. Aquele que foi capaz de recitar os versos foi poupado e libertado.

Um dos homens assassinados foi identificado pelo nome Joshua.

O coordenador regional do nordeste, Mohamed Birik, disse que as forças quenianas estão procurando os militantes em uma floresta próxima.

“É lamentável que tenhamos perdido duas vidas inocentes de quenianos. Quero assegurar que daqui para frente, tal incidente não volte a acontecer”, disse Birik.

O Al-Shabaab, que é baseado na Somália, mas continua a realizar ataques no vizinho Quênia, continua sendo um dos grupos terroristas mais mortíferos da África.

Em abril de 2015, os terroristas mataram cerca de 150 estudantes durante um ataque de emboscada no Garissa University College, onde os militantes separaram os muçulmanos e executaram apenas os cristãos.

Em agosto de 2017, os terroristas mataram outros quatro homens cristãos no condado de Lamu, no Quênia, decapitando três e queimando outro vivo.

A Força Aérea da Etiópia anunciou na semana passada que realizou um ataque aéreo contra a al-Shabaab na Somália. Ele informou que cerca de 70 militantes do al-Shabaab foram mortos, enquanto dois veículos carregados com armas foram destruídos.

A Radio Shabelle observou que outros condados que enviaram tropas como parte da Missão da UA incluem Burundi, Djibuti, Quênia e Uganda. Os EUA também estão realizando ataques aéreos para enfraquecer e derrotar o grupo terrorista em suas bases somalis.

Fonte: The Christian Post e Wikipédia