Cristãos durante culto na Igreja dos Irmãos em Kobani, na Síria. (Foto: NBC News)
Cristãos durante culto na Igreja dos Irmãos em Kobani, na Síria. (Foto: NBC News)

As tropas do exército sírio chegaram ao norte da Síria e trouxeram mais conforto e segurança para os cristãos que moram na região.

Os locais já eram alvos da assistência de projetos da Portas Abertas, contou Aziz*, um colaborador de campo.

O suporte financeiro repassado às congregações locais era voltado para cobrir despesas das famílias com comida, higiene, assistência médica e preparação para a chegada do inverno.

Mas com o início dos ataques entre o exército turco e combatentes curdos, no dia 9 de outubro, os recursos foram repassados para suprir as necessidades das famílias atingidas. 

De acordo com o colaborador local, a expectativa era de que haveria um grande deslocamento de civis nas áreas dos combates. E isso fez com que o apoio financeiro e as orações de cristãos de todo mundo fossem antecipadas. 

“Creio que essas orações foram ouvidas; depois de alguns dias, a situação acalmou. Com a ajuda dos russos e um acordo entre o exército sírio e os curdos, as Forças Armadas da Síria entraram na região. Eles estão em Qamishli, Kobane e Hasakah. Com a chegada das tropas, a situação imediatamente se acalmou. As batalhas continuam, mas não nos locais onde os cristãos vivem”, explica Aziz. 

No início da crise, cerca de 90 famílias que se deslocaram de Hasakah foram ajudadas através da Portas Abertas.

“Essa cidade é mais longe da fronteira turca e de onde os turcos querem estabelecer como zona de segurança na Síria. Em Hasakah nós trabalhamos por meio da Alliance Church e agora temos um acordo com a Igreja Ortodoxa Síria. Por agora, achamos improvável que a situação piore.”

Além de ajudar as 90 famílias, as igrejas têm assistido casos individuais. O cristão lembra que a situação está mais calma, mas ainda não foram feitos acordos para cessar fogo. “Aconteça o que acontecer, a necessidade existia antes da incursão turca, e continua existindo.”

A origem dos conflitos

O exército turco entrou no norte da Síria no dia 9 de outubro. O objetivo é criar uma “zona de segurança” de 30 km ao sul da fronteira entre Síria e Turquia. Ele lutou contra os combatentes curdos, que são considerados terroristas pelas autoridades da Turquia. Os grupos armados são vistos pelos turcos como uma ameaça à segurança do país. 

Com a chegada das tropas turcas, os bombardeios pelo ar com a artilharia cessaram e deram uma relativa calma na área. Durante a guerra na Síria, que já acontece por oito anos e meio, os cursos controlavam o norte da Síria.

Na noite de 17 de outubro, os governos dos Estados Unidos e da Turquia declararam que as Forças Armadas turcas devem dar cinco dias de pausa na ofensiva para que as tropas lideradas pelos curdos se retirem da área prevista para ser zona de segurança almejada pelo governo turco.

A Síria ocupa a 11ª colocação na Lista Mundial da Perseguição 2019. Os cristãos locais enfrentarem problemas como a opressão islâmica, o antagonismo ético, a paranoia ditatorial, a corrupção e o crime organizado.

Ajude agora a igreja na Síria

Em resposta à destruição causada pela guerra, que já dura oito anos e meio, a Portas Abertas amplia sua ação no país e conta com sua generosidade para oferecer uma ajuda emergencial aos irmãos. Nos Centros de Esperança e através de parceiros locais, a nossa organização distribui alimentos para 15 mil pessoas na Síria. Doe e abençoe três cristãos e suas famílias com cestas básicas.

 *Nome alterado por segurança

Fonte: Portas Abertas