Cristãos são torturados na China
Cristãos são torturados na China

Em abril de 2019, o Escritório Geral do Comitê Central do CCP e o Escritório Geral do Conselho de Estado emitiram as “Opiniões sobre Fortalecimento e Melhoria do Trabalho Prisional”.

O documento mencionava especialmente o reforço para transformar membros da Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG) e outros grupos religiosos, e exigia “melhorar a taxa de transformação e consolidar os resultados da transformação”.

O termo “transformação” significa a “desconversão”, ou desprogramação, dos cristãos, que deveriam confirmar o sucesso da intervenção assinando uma declaração de que renunciam à sua crença.

Para completar a tarefa, as autoridades carcerárias muitas vezes forçaram esses membros religiosos a ceder sob tortura prolongada e maus-tratos.

Torturado até a beira da morte

“Outros presos foram espancados por não conseguirem completar sua tarefa, enquanto eu fui espancado quando surgiram problemas inesperados”, disse um membro da CAG da Região Autônoma de Guangxi Zhuang, no sul da China, ao Bitter Winter.

O homem contou que foi repetidamente torturado e maltratado por se recusar a assinar uma “declaração de arrependimento” durante sua sentença de 3 anos.

“Certa vez, o chefe da célula ordenou que eu ficasse parado como um soldado por desobedecer à gestão [isto é, recusando-me a assinar a declaração de arrependimento] e enrolou firmemente um fio de cobre tão grosso quanto um dedo mínimo em volta do meu corpo cinco vezes” ele relatou.

O cristão acrescentou que, depois de ser punido e obrigado a ficar em pé por quatro horas, suas mãos ficaram azuis e dormentes. As marcas só desapareceram dois dias depois. Devido ao bloqueio severo de sua circulação sanguínea, uma série de problemas apareceu em seu corpo em pouco tempo.

O homem relata ainda que suas pernas ficavam inchadas e suas mãos muitas vezes ficavam dormentes e trêmulas, sem forças para carregar sua tigela de arroz ou torcer suas roupas. Logo depois disso, seu abdômen também ficou dormente, e não sentiu dor ao ser beliscado com força. Todas as unhas dos pés caíram. Muitos prisioneiros previram que ele não sobreviveria um ano.

“Às vezes, quando a campainha tocava [para a reunião], outros presos corriam para ficar na fila, enquanto eu não conseguia ficar de pé, não importa o quanto lutasse, mesmo que tentasse me apoiar em uma mesa. Eu me senti muito desamparado”, lembrou o membro da CAG.

Uma vez, quando ele estava atrasado para a reunião porque seus pés estavam dormentes e doendo, o chefe da cela cobriu sua cabeça com uma lixeira em público e só a retirou cinco minutos depois.

“Muco nasal, expectoração e sujeira caíram da lixeira no meu rosto e corpo. O cheiro era insuportável”, relatou. Em vez de permitir que ele fizesse uma limpeza, o chefe da célula o forçou a ficar sob o sol escaldante por quatro horas.

“Três declarações”

Por se recusar a assinar as “três declarações” de “arrependimento, garantia e separação”, ele foi insultado dessa forma mais de uma vez. “Nenhum dos milhares de outros presos em toda a prisão sofreu tais maus-tratos”, disse ele, acrescentando que suas mãos e pés estão frequentemente dormentes até hoje, e suas mãos tremem, incapazes de fazer trabalhos pesados.

Vários outros membros da CAG, que foram libertados da prisão este ano, contaram histórias de Bitter Winter sobre como foram submetidos a violentas “transformações” na prisão.

Devido à recusa em assinar as “três declarações”, uma fiel da CAG da província oriental de Anhui que foi condenada a três anos e seis meses de prisão foi enviada para uma classe de “transformação pela educação” na prisão.

Ela foi punida fisicamente por oito horas em cada um dos cinco dias consecutivos. Ela teve que agachar metade com uma perna para frente e para baixo com a outra perna para trás, enquanto mantinha a cintura reta, as mãos levantadas acima da cabeça e o corpo imóvel. Além disso, ela também foi obrigada a ficar de pé por mais duas horas à noite.

Outro membro da CAG, que estava preso na mesma unidade, foi privado de sono por cinco noites como punição. “Parecia que minha cabeça estava prestes a explodir”, disse a fiel ao Bitter Winter.

Os “professores” assistentes da classe “transformação pela educação” na prisão, “colocam banquinhos de ferro nos meus pés e sentam-se neles por dois a três minutos”, relatou outro membro da CAG.

“Eles também separaram meus dedos e me deram um soco na cabeça. Fui espancado com tanta força que comecei a suar frio, tinha o rosto pálido e fiquei sem fôlego”, lembrou ele, acrescentando que durante sua sentença, ele foi forçado a assistir a vídeos elogiando o PCC. Ele foi sujeito a “transformação” violenta novamente um mês antes de ser libertado da prisão.

Mais torturas

Uma mulher de 60 anos, membro da CAG, da província oriental de Shandong, foi condenada a três anos e três meses de prisão. No primeiro dia, quando foi presa, foi forçada a assinar a “declaração de arrependimento”. Como ela se recusou, outros internos bateram nela, o que resultou em metade de um de seus dentes quebrados e três outros dentes perdidos.

“Como me recusei a escrever a declaração de arrependimento, o presidiário a quem os guardas encarregaram de ajudar a doutrinar prisioneiros de consciência ordenou que eu ficasse sentado em um banquinho por 16 horas todos os dias, com as pernas juntas e as mãos nas pernas. Nenhum movimento era permitido para mim”, relatou a idosa.

Outro membro libertado da CAG disse a Bitter Winter que, enquanto cumpria pena de prisão na província de Heilongjiang, no nordeste do país, foi punida em pé por três dias e noites por se recusar a assinar as “três declarações” e prometer desistir de sua fé, e ela também foi punida por ficar quieta em um banquinho.

“Fiquei sentado no banquinho, minhas pernas colocadas juntas com folhas de papel presas entre elas. Fui proibida de ter os lençóis caídos”, disse ela. “Além do mais, meu colega de cela me chutou muitas vezes e me deu um tapa no rosto com um sapato, resultando em hematomas em meu rosto e corpo. Às vezes, ela me batia com um espanador ou cabide com tanta força que o espanador e o cabide quebravam. Certa vez, quando eu e outros internos tomamos banho, um deles zombou de mim dizendo: ‘Nunca vi tantos hematomas’”.

Um membro da CAG que foi libertado em janeiro de 2020 na província de Jiangxi, no sudeste do país, disse ao Bitter Winter que foi originalmente ordenado a participar de um treinamento militar junto com novos presos, mas porque se recusou a assinar cinco declarações de arrependimento, despertar, determinação, separação e críticas, ele recebeu ordens de frequentar sozinho um treinamento especial altamente intensivo e ficar parado por muitas horas.

Mais tarde, ele foi transferido para a unidade de segurança reforçada, que era chamada de “prisão na prisão”, onde era obrigado a ficar parado ou sentado de manhã à noite. Ele também foi obrigado a escrever relatórios ideológicos de autocrítica.

O temido “sistema de punição de implicação”

O PCC também recorre à “punição de implicação” para forçar os membros da CAG a assinar as declarações prometendo desistir de sua fé. Isso significa que, se um membro da CAG se recusar a assinar as declarações, todos os presos na mesma cela seriam punidos “por implicação”. O PCC usa esse método para sujeitar os membros da CAG a uma tremenda pressão psicológica além do castigo físico arbitrário.

Um membro da CAG, da província central de Henan, disse ao Bitter Winter que, por se recusar a escrever a declaração de crítica, os guardas puniram todos os 17 internos em sua cela, privando-os de sono, e ela foi espancada pelos outros internos.

Sob o “cerco” intensificado dos internos, ela ficou muito preocupada com sua situação. No final, sob alta pressão mental, ela teve que escrever a declaração e colocar sua impressão digital nelas. Como ela não conseguia se perdoar pelo que considerava uma traição à sua crença, ela se desesperou e tentou se matar na cela.

Fonte: Guia-me com informações de Bitter Winter