A Uniedas (União das Igrejas Evangélicas da América do Sul), é uma união de igrejas evangélicas formada apenas por pastores indígenas.

De linha batista tradicional, a denominação cristã, que está presente em várias comunidades indígenas e vem se expandindo para diversos estados no Brasil, é formado e coordenados por índios da etnia dos terenas, e atualmente tem 25 igrejas e 8 congregações, das quais 22 estão em Mato Grosso do Sul. As outras estão em comunidades indígenas de Mato Grosso e de Rondônia, todas fundadas por pastores terenas. A Uniedas foi criada em 1972 com a ajuda de missionários alemães.

Segundo a Folha de S.Paulo, os cultos do grupo são celebrados em português, principalmente pela perda da língua nativa entre os jovens. O idioma terena aparece em cantos e na Bíblia, que chegou a ser traduzida para o idioma indígena.

– Dez, vinte anos atrás, o índio era muito discriminado. Às vezes, quando ia a uma igreja, não se sentia bem, daí a necessidade – diz o pastor Ricardo Poquiviqui.

– Trabalhamos muito na questão da orientação, de suporte espiritual, até porque não temos grandes recursos financeiros – completa Rute Poquiviqui, membro da igreja e estudante de direito.

O pastor Ricardo comentou também a crescente disputa por terras em Mato Grosso do Sul, na qual Uniedas tem uma participação discreta.

– Estamos cansados de reuniões. Já falamos com todo mundo que tínhamos de falar. É deputado, governador, ministro, não tem mais com quem falar. É por isso que estourou – afirma o pastor.

O antropólogo Levi Pereira, da Universidade Federal da Grande Dourados (MS), comentou sobre a organização cristã formada pelos índios terenas.

– Os terenas têm um projeto civilizatório e uma cultura voltada ao relacionamento com os outros povos. No caso da igreja, eles se apropriaram da sua cultura – afirmou Pereira.

[b]Fonte: Gospel+[/b]