Eleitores irlandeses favoráveis ao aborto (maio 2018)
Eleitores irlandeses favoráveis ao aborto (maio 2018)

A Irlanda decidiu legalizar o aborto, apesar de sua reputação como um dos mais fiéis países católicos do mundo.

O “sim” obteve uma vitória clara no fim da apuração neste sábado (26), após o histórico referendo na Irlanda sobre a liberalização do aborto.

Dos 2,1 milhões de irlandeses votantes, 66,4%, mais de 1,4 milhão de eleitores, se mostraram favoráveis a revogar a oitava emenda à Constituição da Irlanda, que proibia a interrupção voluntária da gestação, enquanto cerca de 724 mil queriam manter a proibição.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, disse que vai trabalhar com o parlamento da Irlanda para aprovar uma nova e liberada lei de aborto nos próximos meses.

Ele enquadrou a votação como as mulheres irlandesas confiantes para fazer as escolhas certas sobre seus próprios cuidados de saúde.

Mas grupos pró-vida que não vêem o aborto como assistência médica, mas o assassinato de crianças inocentes não nascidas, reagiram com pesar à votação.

Nos Estados Unidos, Andrea Picciotti-Bayer, da Catholic Association Foundation, declarou: “A revogação da oitava emenda pela Irlanda, que reconhece ‘o direito à vida do não-nascido’, reflete a influência sombria da cultura da morte.”

Colonização ideológica

Ashley McGuire, da The Catholic Association, culpou o voto sobre a influência de grupos externos.

“A Campanha Revoga a 8ª foi um exemplo clássico de colonização ideológica: foi importada e financiada por grupos de interesses especiais extremos pró-aborto de fora da Irlanda que não toleraram a realidade de que a Irlanda provou que as mulheres não precisam de aborto para florescer e prosperar “, explicou McGuire.

Marjorie Dannenfelser, chefe da pró-vida Susan B. Anthony List, opinou: “O resultado do referendo de hoje é uma tragédia profunda para o povo irlandês e para o mundo inteiro. Enquanto outras nações ocidentais, incluindo os Estados Unidos, concordaram com o extremo lobby do aborto, a Irlanda tem sido um farol de esperança para a sua forte defesa de crianças não nascidas e suas mães “.

Consequências Graves e irreversíveis

“Estamos profundamente tristes ao saber que muitos irlandeses votaram contra o amor e a vida ao revogarem a 8ª Emenda”, declarou a presidente da March for Life, Jeanne Mancini. “Os americanos sabem por experiência que haverá muitas consequências graves e irreversíveis desta decisão, incluindo a perda de vidas preciosas.”

Catherine Glenn Foster, da Americans for Life, apontou que seu grupo desempenhou um papel fundamental na criação da 8ª Emenda em 1979, “tornando a Irlanda uma das nações mais fortes da Europa”. Hoje, a equipe legal da AUL lamenta que a Irlanda abriu o caminho para o aborto em demanda em seu país “.

Fonte: CBN News