A igreja da ressurreição em Madri, na Espanha.
A igreja da ressurreição em Madri, na Espanha.

O Supremo Tribunal de Justiça de Madri (TSMJ), na Espanha, negou provimento ao recurso da Câmara Municipal de Madri contra a decisão em favor da Federação Espanhola de Entidades Evangélicas (FEREDE) e da Igreja evangélica da Ressurreição em Madri, referente à aplicação de uma portaria de proteção contra a poluição sonora e térmica.

Em 18 de abril de 2018, o tribunal decidiu que “o culto é protegido pela Constituição e pela Lei Orgânica da Liberdade Religiosa, de modo que não pode ser considerado como uma atividade recreativa ou um show público “.

“Portanto, a Câmara Municipal não pode solicitar a uma igreja os requisitos aplicáveis ​​a essas atividades para sua legalização, como regra geral”, acrescentou.

Em sua alegação, a FEREDE descreveu o uso da decisão sobre acústica contra a Igreja da Ressurreição, devido o uso de um pequeno órgão durante suas celebrações, como “desproporcional”.

A sentença deixou claro que “a Câmara Municipal só pode fazer isso quando tiver verificado e comprovado que a atividade causa uma emissão sonora que excede os níveis permitidos ”.

Também declarou válida a declaração responsável apresentada pela Igreja da Ressurreição, pela qual foi provado que sua atividade não excedia os níveis sonoros permitidos.

O Supremo Tribunal de Justiça de Madri permite interpor recurso dentro de 30 dias. 

Espera-se que as autoridades modifiquem seus critérios em relação à abertura de locais de culto, sem considerá-los, em geral, como atividades que requerem um nível de isolamento acústico.

Em entrevista à Rádio Espanhola Actualidad Evangélica , a advogada da Federação Evangélica, Carolina Bueno, explicou que a sentença poderia criar um precedente legal que mudaria os critérios dos municípios, não apenas em Madri, mas no resto da Espanha.

Enquanto isso, a Igreja evangélica da Ressurreição apontou que, “se nosso envolvimento determinado na defesa dos direitos fundamentais da liberdade religiosa e de culto puder ser projetado para o benefício de outras confissões ou comunidades, todo o nosso tempo e esforço serão digno”.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus