Presépio natalino
Presépio natalino

Uma escola de ensino médio na Virgínia, nos EUA, proibiu canções mencionando “Jesus” de seu concerto anual de Natal como parte de um esforço para ser “mais sensível” para a população cada vez mais “diversificada” de seu corpo estudantil.

“Tivemos alguns alunos que não se sentiam à vontade para cantar numa peça que eu fiz muitas vezes no passado, mas é de natureza sagrada e menciona Jesus”, disse o professor de coral da Robious Middle School, em Chesterfield, em um e-mail para um pai que estava preocupado com as mudanças no programa de concertos de inverno, relatou a afiliada da NBC News, WWBT.

O pai David Allen disse que os esforços da escola pública para incentivar a diversidade e, ao mesmo tempo, ser excludentes não parecem racionais.

“Parece que … em todos os lugares que você olha, todo mundo tem medo de pisar nos dedos de alguém ou tudo está sendo tão sensível”, disse Allen à WWBT, afiliada da NBC News.  “Eles não foram capazes de [cantar essa canção] porque a palavra Jesus estava lá e aparentemente alguém assumiu que era de natureza sagrada”.

As notícias da censura às músicas de Jesus na Robious Middle School chamaram atenção em vários  sites conservadores.

As escolas públicas nos Estados Unidos têm frequentemente visto sua parcela de controvérsia sobre até que ponto elas podem se referir ao Natal em geral e à história do Evangelho do nascimento de Jesus em particular.

Por exemplo, em dezembro de 2016, um juiz do Texas ordenou que um distrito escolar restaurasse a exposição “A Charlie Brown Christmas” depois que ela foi removida pelos administradores porque continha um versículo bíblico.

O juiz do Distrito de Bell County, Jack Jones,  emitiu uma liminar contra o Distrito Escolar Independente de Killeen, de impor sua decisão de proibir a decoração de Natal.

O procurador geral do Texas, Ken Paxton, cujo escritório apoiou a exibição, divulgou um comunicado na época expressando apoio à liminar.

“Fico feliz em ver que o tribunal rompeu a névoa retórica da esquerda e reconheceu que um compromisso com a diversidade significa proteger a expressão religiosa individual de cada um”, disse Paxton na época.

Fonte: The Christian Post