Centro histórico de São Salvador, capital de El Salvador.

A empresa de pesquisa CID Gallup realizou uma pesquisa em El Salvador para avaliar a administração do Presidente de El Salvador, além de outras questões sociais.

Uma das conclusões da pesquisa é que “em apenas uma geração, a igreja católica perdeu 17% de seus membros, tornando-se a religião número dois em El Salvado”.

Atualmente, 44% dos salvadorenhos se identificam como cristãos evangélicos, enquanto 38% aderem ao catolicismo romano e 3% responderam que são de outra religião ou fé.

O CID Gallup perguntou a seus entrevistados “em que religião eles nasceram” e “qual é sua fé atual”, e descobriu que 55% nasceram católicos, e 17% deixaram o catolicismo.

Enquanto isso, entre os evangélicos, apenas 35% nasceram em uma família cristã, o que significa que se todos mantiveram a fé de seus pais, os crentes evangélicos aumentaram 9%.

“É interessante ver a queda do catolicismo ao longo dos anos, saber que, enquanto 66% daqueles com mais de 40 anos nasceram católicos, apenas 38% daqueles com menos de 24 anos nasceram em uma família católica”, explica o CID Gallup na pesquisa .

El Salvador é um dos países mais pobres da América Latina. A Igreja Evangélica salvadorenha é reconhecida por suas ações sociais: entrega de alimentos básicos, ajuda a vítimas de tragédias e aos doentes.

“Nossa batalha, diz a palavra, não é contra sangue e carne, mas contra reviravoltas espirituais do mal e temos que trabalhar para que o evangelho avance: a palavra de Deus”, diz Jorge Aguirre, pastor da Igreja Gamaliel.

“Se promovêssemos amor entre casamento, respeito conjugal, não-divórcio, respeito pelos filhos e respeito por nossos filhos, poderíamos catapultar nossa sociedade para a próxima geração para ter um grande desenvolvimento em nosso país”, diz o pastor Numa Rodezno.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus e CBN News