Deputada Federal Flordelis, na Câmara dos Deputados, em Brasília
Deputada Federal Flordelis, na Câmara dos Deputados, em Brasília

A deputada Flordelis , acusada de ser a mandante do assassinato do marido e pastor Anderson do Carmo em junho de 2019, disse que a Justiça brasileira quer prendê-la “a qualquer custo” e que, agora, procura ajuda internacional. Ela quer que o detetive norte-americano Pat Postiglione, que tem um programa de TV de investigação Discovery Channel, investigue seu caso.

Em entrevista à revista The New Yorker , Flordelis disse que, no Brasil, querem “fazer dela a mente por trás do assassinato” do pastor Anderson e, por isso, ela está procurando ajuda fora do país.

Na ocasião, o jornalista norte-americano disse que a mulher foi indiciada “sem qualquer prova, apenas por mensagens no meu celular”. Ela também comentou o fato de ter seis filhos presos e, de acordo com ela, eles só estão na prisão porque “sabiam da mensagem do assassinato de meu marido”.

“Mas aí eu pergunto: E os outros que também sabiam? Por que eles não estão na prisão? Claro, eu não gostaria de ver nenhum dos meus filhos na prisão. Mas o Ministério Público alega que prendeu alguns porque eles sabiam e nada fizeram para impedi-lo. Toda a família sabia. Até meu marido sabia”, acrescentou a deputada.

O detetive de quem a acusada quer ajuda é famoso pelo programa de televisão, já investigou diversos homicídios e é responsável pela prisão de três serial killers em em Nashville, no Tennessee ( EUA ). Além disso, ele é conhecido por ter “memória fotográfica” que o permite lembrar de todos os detalhes de suas investigações.

Conselho de Ética

Relator do caso da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) no Conselho de Ética da Câmara, Alexandre Leite (DEM-SP) afirma haver quatro motivos que justificam a cassação do mandato da parlamentar.

Leite defende a punição mais extrema disponível por quebra de decoro em parecer que deve ser votado hoje à tarde pelos integrantes do colegiado.

Na avaliação de Alexandre Leite, por duas vezes, Flordelis abusou das prerrogativas constitucionais asseguradas aos membros do Congresso e, por outras duas vezes, buscou fraudar o andamento dos trabalhos legislativos para alterar o resultado da deliberação no conselho.

Para o relator, Flordelis mentiu ao não conseguir comprovar o que alegou como defesa e mentiu sobre a compra da arma usada no crime. Ainda, diz o deputado, ela tentou cooptar uma testemunha e abusou das prerrogativas que o mandato lhe dá ao tentar culpar os filhos pela morte de Anderson por meio da imprensa.

Se a maioria do colegiado optar pela punição, Flordelis terá o prazo de cinco dias úteis para recorrer à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e, caso queira, se pronunciar sobre eventuais vícios do processo.

Após essa tramitação, seja no Conselho de Ética ou na CCJ, o parecer aprovado será encaminhado à Mesa da Câmara dos Deputados para leitura no expediente, publicação e inclusão na Ordem do Dia.

O texto com a proposta de perda do mandato precisará necessariamente ser analisado em votação por maioria absoluta (ao menos 257 votos) pelo plenário da Câmara.

Fonte: UOL e Último Segundo