Torre Eiffel, na França
Torre Eiffel, na França

O ódio às pessoas por causa de sua fé está aumentando na França, de acordo com as conclusões iniciais da investigação realizada por dois deputados, ordenada pelo primeiro-ministro francês Jean Castex.

Os deputados do La République En Marche (República em Movimento, LERM) e do MoDem (movimento democrático), Ludovic Mendes e Isabelle Florennes, apresentaram o relatório numa conferência de imprensa, em fevereiro, após mais de trinta entrevistas com representantes religiosos, polícias e autoridades judiciárias , e quatro viagens a Estrasburgo, Sarcelles, Lyon e Nantes.

Foram contabilizados 1.659 atos antirreligiosos em 2021: 857 atos contra cristãos, 589 contra judeus e 213 ataques contra muçulmanos. Estes últimos cresceram 38% em relação a 2019. Esses dados consolidam a avaliação provisória apresentada em dezembro pelo ministro da do Interior, Gérald Darmanin.

“Um aumento no ódio nos últimos dez anos”

“Houve um aumento do ódio nos últimos dez anos, que está piorando tanto presencialmente quanto online”, destacou Mendes.

Os dois deputados explicaram que “todas as denominações entrevistadas descreviam uma sociedade que se torna cada vez mais odiosa e violenta” em relação a eles.

Além disso, “as pequenas agressões diárias são cada vez mais frequentes. Infelizmente, muitos parecem estar se acostumando, ou melhor, aprendendo a conviver com isso”, acrescentou Mendes.

Sublinharam que esta intolerância religiosa com aumento do ódio e da violência “é alimentado pelo discurso político, com um discurso que já não tem limites”, e defenderam “uma melhor educação sobre as religiões”.

Romain Choisnet , diretor de comunicação do Conselho Nacional de Evangélicos da França (CNEF), comentou o estudo no twitter, destacando que “durante muito tempo, os atos anticristãos consistiam em danos ou roubos de locais de culto, que ainda representam a maioria dos incidentes, mas a violência física está aumentando”.

Em meio a um país dividido pela recente e controversa nomeação do filósofo cristão Mark Sherringham como chefe do Conselho Superior de Programas Escolares (CSP), os parlamentares franceses “esperam que o debate sobre religiões nas escolas não seja recusado, porque o laicismo não é sobre esconder a religião”.

Ludovic Mendes e Isabelle Florennes entregarão seu relatório final em março.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus

Comentários