Bandeira do arco-íris, símbolo dos gays
Bandeira do arco-íris, símbolo dos gays

Uma grande organização de apoio à causa LGBT está pressionando para que 20% de todos os personagens da televisão sejam LGBT até 2025 nos EUA.

De acordo com um relatório chamado “Onde estamos na TV”, divulgado na última quinta-feira (7) pela ‘Aliança Contra a Difamação’ (GLAAD), “a presença de personagens que se identificam como LGBT nos programas de televisão é fundamental para mudar corações e mentes na cultura”.

O relatório cita uma pesquisa on-line de 2.037 adultos, indicando que um quinto dos americanos com idades entre 18 e 34 anos e que 12% de todos os adultos se identificam como LGBT ou “outras categorias não heterossexuais”.

A presidente da GLAAD, Sarah Kate Ellis, observa no relatório que “menos de um quarto dos americanos tem um amigo íntimo ou membro da família que é transgênero”, o que significa que muitos americanos “aprendem sobre pessoas trans com o que vêem na televisão, filmes e notícias”.

A pesquisa on-line usada no relatório de mídia da GLAAD reflete mais o que muitos percebem sobre as porcentagens de pessoas identificadas como LGBT, em vez dos números reais de organizações de pesquisa respeitáveis.

Em junho, a Gallup publicou os resultados de uma pesquisa na qual os entrevistados foram convidados a dar o seu melhor palpite sobre quantos americanos eles acham que são gays ou lésbicas. O estudo constatou que uma forte maioria dos americanos continua superestimando as porcentagens por uma margem significativa.

Em média, os americanos acreditam que 23,6% da população é gay ou lésbica. Mais de um terço dos entrevistados pensaram que o percentual era superior a 25%; 19% estimaram o número entre 20 e 25%; 10 por cento calculou entre 15 e 20 por cento.

Apenas 8% dos entrevistados imaginaram com precisão que a porcentagem de homens e mulheres que se identificam como gays ou lésbicas fica abaixo de 5%.

Um estudo de 2017 da Gallup, onde uma grande amostra aleatória – composta por mais de 340.000 adultos dos EUA – foi entrevistado por telefone e constatou que apenas 4,5% da população se identificou como LGBT.

A Gallup observou: “A porcentagem de millennials que se identificam como LGBT aumentou de 7,3% para 8,1% de 2016 a 2017 e passou de 5,8% em 2012”.

Enquanto isso, a participação de personagens identificados como LGBT em filmes e programas de televisão voltados para crianças pequenas continua a crescer.

No início deste ano, os programas infantis “Arthur” e “My Little Pony” incluiram casamentos e casais do mesmo sexo.

Um episódio de 2017 de “Star vs. the Forces of Evil” no Disney Channel retratou casais gays se beijando entre outros durante um show de boy band. Nesse mesmo ano, a série infantil da Disney “Andi Mack” apresentou um personagem de 13 anos que “percebe que ele é gay” e se assume para seus amigos.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post