Flordelis e Anderson do Carmo eram casados há 25 anos Foto: Reprodução
Flordelis e Anderson do Carmo eram casados há 25 anos Foto: Reprodução

A Justiça restringiu as visitas a um dos filhos da deputada federal Flordelis dos Santos (PSD), Lucas Cézar dos Santos, na cadeia. O rapaz de 18 anos é réu pela morte do pai, o pastor Anderson do Carmo.

Por determinação da juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, Lucas só pode receber visitas de quatro pessoas. Flordelis não está entre os autorizados. O EXTRA teve acesso à decisão da magistrada.

Estão na lista um dos irmãos de Lucas, Daniel dos Santos de Souza, a ex-patroa do rapaz, Regiane Ramos, o marido dela, Márcio Faria, e o defensor público Jorge Mesquita. Lucas trabalhou na oficina mecânica de Regiane antes de se envolver com o tráfico de drogas. A inclusão de Daniel na lista foi um pedido do próprio Lucas. Na decisão, a juíza afirmou que a medida é necessária para a segurança do rapaz.

A magistrada também determinou que Lucas fique isolado dos demais presos, “evitando que sofra eventuais pressões indevidas”. Em seu interrogatório na Justiça , no dia 1º, Lucas admitiu que não foi o autor de uma carta na qual ele mudou sua versão do crime e confessou participação na morte de Anderson .

O rapaz afirmou ter copiado um texto já pronto, entregue a ele por seu irmão, Flávio dos Santo Rodrigues, e pelo ex-PM Marcos Siqueira da Costa. Os três estavam presos na Penitenciária Bandeira Stampa, conhecida como Bangu 9. Lucas e Flávio, que também é réu pela morte do pastor , dividiam a mesma cela.

Com as declarações de Lucas, a juíza determinou que sejam investigados crimes envolvendo a confecção da carta. A Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo já vinha apurando as circunstâncias em que a correspondência foi escrita. Ao apreender o telefone celular de Flordelis e de duas netas, no dia 17 de setembro, a polícia encontrou indícios de que o documento pode ter sido fraudado.

Após a divulgação da carta, no fim de setembro, Lucas foi transferido para a penitenciária Laércio da Costa Pellegrino, conhecido como Bangu 1, por determinação judicial.

A ordem da juíza Nearis dos Santos foi para que o rapaz fosse separado do irmão, Flávio, imediatamente. Há uma semana, Lucas foi transferido para a Cadeia Pública Tiago Teles, em São Gonçalo, a pedido do defensor público Jorge Mesquita.

Um ofício encaminhado à Justiça pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Rio revelou ainda que dois advogados de Flávio – Maurício Mayr e Flávio Crelier – visitaram Lucas na semana anterior à divulgação da carta e também na seguinte.

Detalhes da carta

Na carta , Lucas acusou os seus irmãos, o vereador Wagner Andrade Pimenta, conhecido como Misael e Alexsander Felipe Matos Mendes, chamado pela família de Luan, de envolvimento na morte de Anderson.

Ele afirmou que, na presença de Luan, o vereador lhe ofereceu vantagens para “dar um susto” no pastor. Ele relatou que pediu para um amigo fazer o serviço. “O moleque já sabia o que ia fazer, mas deu ruim”, escreveu na carta, justificando o fato do pastor ter sido morto.

A versão da carta nunca foi dada por Lucas à polícia . Na Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, Lucas acusou Flávio do crime e sempre negou seu envolvimento na trama. Os nomes de Misael e Luan nunca tinham sido citados por ele.

Misael, junto com o irmão Daniel dos Santos de Souza, foi o primeiro a acusar Flordelis de envolvimento na morte de Anderson. Ele disse à polícia acreditar que a mãe foi a “mentora intelectual do crime”. Em entrevista ao “SBT Rio”, após a divulgação da carta, Flordelis passou a atacar o vereador.

Ainda na carta, Lucas afirma que no dia que recebeu a proposta, soube que Anderson tentou agarrar uma das netas. Fato semelhante foi citado por Flávio, em seu depoimento à DH no qual confessou o crime. Ele afirmou ter tomado conhecimento de que o pastor havia “passado a mão” em uma das netas, o que foi negado pelas jovens.

No depoimento dado à Justiça no dia 1º, no qual revelou detalhes sobre a confecção da carta, Lucas voltou a negar participação no crime, como na versão que havia apresentado à polícia, e mais uma vez acusou Flávio.

A carta cuja autoria foi atribuída a Lucas foi divulgada por Flordelis durante uma entrevista ao “Fantástico”, da TV Globo, em entrevista no dia 22 de setembro. No programa, ela contou ter recebido a correspondência da mulher de um preso.

Sobre a decisão da Justiça, a assessoria da deputada Flordelis enviou a seguinte nota: “A deputada tão tem ciência dessa não autorização, até porque seus filhos estão presos há praticamente 6 meses e até a presente data ela não foi visitá-los, por decisão própria, até que tudo seja esclarecido. Ela não tem estrutura emocional para vê-los, apesar de amar os seus filhos. Flordelis é mãe e não existe ex-filho. Ela prefere aguardar até que tudo se esclareça”.

Fonte: Agência O Globo via Último Segundo