Crucifixo
Crucifixo

Uma organização de donos de empresas católicas baseada em Michigan decidiu suspender uma doação de US$ 1 milhão à Igreja Católica Romana devido a um atraso na votação para combater o abuso sexual na Igreja.

A Conferência dos Bispos Católicos dos EUA foi recentemente informada pelo Vaticano de que estava suspendendo quaisquer ações sobre a questão dos abusos sexuais por parte do clero até que uma cúpula global na Santa Sé seja realizada em fevereiro de 2019.

Legatus, a organização internacional dos líderes empresariais católicos, explicou em uma carta enviada aos membros que, em resposta à ordem de atraso, eles estavam revogando seu dízimo para 2019 para a Santa Sé.

O fundador e presidente da Legatus, Tom Monaghan, observou na carta de associação que “o dízimo anual tem sido uma parte importante da afiliação à Legatus” desde que a organização foi fundada.

“Assim, é intenção do conselho reintegrar essa prática, uma vez que tenhamos comunicação suficiente em relação à responsabilidade específica relacionada ao uso desses fundos. A diretoria revisitará este tópico até o outono de 2019, a fim de traçar um plano relacionado às dívidas de 2020”, escreveu Monaghan, conforme relatado pelo National Catholic Register.

“… A Igreja está certamente em crise, mas não é uma crise de fé. Como organização, Legatus continua a prometer sua devoção e solidariedade à santa igreja-mãe; esta é uma época em que precisamos viver a missão do Legatus mais do que nunca ”.

Em agosto, a Igreja Católica foi mais uma vez abalada por um escândalo de abuso sexual de clero após o lançamento de um longo relatório do Grande Júri da Pensilvânia.

O relatório de mais de 1.300 páginas detalha como 301 padres abusaram de mais de 1.000 crianças nas últimas décadas e como a hierarquia protegeu os perpetradores da responsabilidade e encobriu seus crimes.

O relatório do grande júri veio semanas depois de o ex-cardeal e arcebispo de Washington, Theodore McCarrick, ter sido destituído de seu título, depois de “evidências credíveis e substanciadas” de que ele estava envolvido em abuso sexual.

Alguns bispos católicos americanos, incluindo o chefe do USCCB, expressaram consternação com a ordem do Vaticano em adiar a ação.

“Não estamos felizes com isso”, afirmou o cardeal Daniel DiNardo, presidente da USCCB. “Estamos desapontados, porque estávamos nos movendo sobre isso.”

Em agosto, a atriz Patricia Heaton disse que não deixará mais doações à Igreja Católica até que a instituição retire de suas fileiras aqueles que se envolveram em abuso sexual ou a encobrem.

“Ponto principal – a Igreja Católica terá zero autoridade moral até que todos que abusaram ou incentivados se forem. Sem desculpas. Até então, não há mais dinheiro para este sindicato corrupto”, twittou Heaton na época.

Fonte: The Christian Post