Bispos da Igreja Anglicana da Inglaterra
Bispos da Igreja Anglicana da Inglaterra

A Igreja Anglicana da Inglaterra pediu desculpas nesta quinta-feira, 18, pelo papel histórico de alguns de seus membros na escravidão, informou o jornal The Telegraph.

O pedido de desculpas veio em resposta ao trabalho do University College London (UCL) que indica que os responsáveis pela igreja se beneficiaram do tráfico de seres humanos.

Segundo os pesquisadores, quase 100 clérigos da Igreja da Inglaterra, incluindo um bispo, se beneficiaram da escravidão.

O banco de dados contém detalhes de cerca de 47.000 pessoas no Reino Unido que receberam indenização do governo do dia seguinte à aprovação da Lei da Abolição da Escravidão em 1833.

“Escravidão e exploração não têm lugar na sociedade”, disse o porta-voz.

“Embora reconheçamos o papel que o clero e os membros ativos da Igreja Anglicana desempenharam na promoção da abolição da escravidão, temos vergonha de que outros membros da Igreja tenham participado ativamente e beneficiado da escravidão”.

A compensação total disponível para os proprietários de escravos valia 20 milhões de libras na época – o equivalente a 2,4 bilhões de libras hoje. Os que foram escravizados nada receberam.

A análise dos pesquisadores mostrou que 96 dos reclamantes eram clérigos da Igreja da Inglaterra e que a construção de 32 igrejas estava ligada a esses reclamantes.

“Em 2006, o Sínodo Geral da Igreja da Inglaterra emitiu um pedido de desculpas, reconhecendo o papel que a própria Igreja desempenhou em casos históricos de escravidão”, disse o porta-voz.

“Reiteramos nossos compromissos de apoiar todos os esforços da Igreja e de outras agências para se opor ao tráfico de seres humanos e a todas as outras manifestações de escravidão em todo o mundo”.

“A Igreja da Inglaterra está ativamente comprometida com o combate à escravidão em todas as suas formas hoje, principalmente através do trabalho da Iniciativa Clewer, que trabalha com nossas 42 dioceses para ajudar a apoiar as vítimas da escravidão moderna e identificar os sinais de exploração em suas comunidades”, concluiu o porta-voz.

A diretora de catedrais e edifícios da igreja da Igreja da Inglaterra, Becky Clark, disse que a Igreja estava preparada para revisar se alguns monumentos deveriam ser removidos.

Ela sugeriu que o diálogo em nível local teria um papel central nessas decisões.

“Os eventos das últimas semanas em resposta à trágica morte de George Floyd colocaram em foco a questão dos monumentos para indivíduos que participaram de discriminação ou exploração sistêmica e direcionada com base na raça”, disse ela.

A análise também divulgou os laços do Banco da Inglaterra com a escravidão, com seis governadores e quatro diretores sendo nomeados como reclamantes ou beneficiários no banco de dados.

O Banco da Inglaterra pediu desculpas posteriormente.

As manifestações antirracistas que se seguiram à morte de George Floyd em Minneapolis (Estados Unidos) provocaram intenso debate no Reino Unido sobre a história do poder colonial.

Folha Gospel com informações de The Christian Today