Ex-padre chileno Fernando Karadima, expulso da Igreja pelo Papa Francisco, em foto de 11 de novembro de 2015 (Foto: AFP/Arquivos / Vladimir RODAS)
Ex-padre chileno Fernando Karadima, expulso da Igreja pelo Papa Francisco, em foto de 11 de novembro de 2015 (Foto: AFP/Arquivos / Vladimir RODAS)

A Justiça chilena condenou a Igreja católica local a pagar uma indenização de 300 milhões de pesos (cerca de 450.000 dólares) às vítimas de abusos sexuais do ex-sacerdote Fernando Karadima – informou o Poder Judiciário nesta quarta-feira (27).

Caso Karadima: Corte de #Santiago acolhe processo contra a Igreja católica e ordena pagar 100 milhões a cada um dos demandantes”, informou o Poder Judiciário em sua conta no Twitter.

Os cerca de 150 mil dólares serão pagos a James Hamilton, José Andrés Murillo e Juan Carlos Cruz.

No processo, que revoga uma sentença de 2017, “é acolhida a demanda principal de indenização por prejuízos baseada em fato próprio da Igreja Católica do Chile e, consequentemente, declara-se procedente a ação indenizatória” por “dano moral” aos três acusadores.

Na decisão, de caráter unânime e revogando uma sentença de 2017, “a ação indenizatória é declarada admissível”, pelo conceito de “danos morais” contra os três autores da ação.

Fernando Karadima, ex-influente religioso, formador de vários bispos e altamente prestigiado na alta sociedade chilena, foi expulso do sacerdócio no ano passado.

Em 2011, o Vaticano o condenou por abuso sexual de menores e o relegou a uma vida de oração e penitência.

Fonte: AFP