Pastor Ryan Broers, da Cave City Baptist Church, nos EUA
Pastor Ryan Broers, da Cave City Baptist Church, nos EUA

Uma igreja batista no Kentucky, nos Estados Unidos, juntamente com outros batistas, está defendendo a prática disciplinar de enviar cartas aos congregantes e membros que não estavam frequentando regularmente os cultos para informá-los de que foram removidos da lista de membros da igreja.

Na semana passada, a Cave City Baptist Church (Igreja Batista Caverna da Cidade), situada no centro-sul de Kentucky, perto de Bowling Green, enviou cartas a aproximadamente 70 membros para dizer que não frequentavam serviços “habitualmente”, ou “regularmente”, nem participavam do “trabalho organizado” da congregação exigido dos membros, de acordo com o estatuto da congregação.

Durante uma grande cobertura da mídia alguns membros expressaram raiva sobre como eles foram excluídos. No entanto, o pastor da igreja não se intimidou com a imprensa e não está recuando  mas  diz que ele e a igreja estão sendo deturpados pela mídia.

O pastor batista Ryan Cavers, disse em uma mensagem para a Imprensa Batista que ele está “cansado do circo da mídia” e que “muitas mentiras e meias-verdades estão sendo contadas”.

“Eu realmente queria que essa coisa continuasse sendo uma questão privada”, disse ele, lembrando que acredita que eles deveriam ter redigido a carta de forma diferente.

“A única razão pela qual eu comentei publicamente foi porque isso se tornou de conhecimento público quando um homem que não esteve na igreja em 20 anos, tornou público no Facebook. Esta é uma questão disciplinar da igreja e estamos seguindo nosso estatuto. Muitas tentativas por vários anos foram feitas, tanto por escrito como pessoalmente, para que as pessoas pudessem ser localizadas e estivessem dispostas a falar. Se alguém sentir que recebeu as cartas por engano, será bem-vindo para ligar e conversar comigo”.

O administrador do Seminário Teológico Batista do Sul, Hershael York, publicou vários tweets  em defesa de Broers e expressou sua irritação com a mídia. Ele perguntou ao Lexington Herald-Leader, que informava sobre o assunto, “se o Rotary Club demitir membros por não comparecimento e não-pagamento de taxas é digno de nota?”

A manchete Herald-Leader diz: “A igreja de Kentucky enviou cartas expulsando os membros por transgressões comuns.”

Para York, um título correto para o que aconteceu na Cave City Baptist, segundo ele, seria “Igreja exige que os membros levem seu compromisso a sério”, e perguntou  se o jornal Kentucky pagou “um repórter para vasculhar o Facebook e relatar o caso contra a igreja como notícia”. ”

“A membresia na igreja é um relacionamento de aliança. Somos responsáveis ​​perante o Senhor e uns aos outros. Dedicação à assistência, serviço, comunhão, o ministério da Palavra, submissão aos presbíteros e santidade não são requisitos arbitrários de filiação, mas mandamentos obrigatórios de Jesus. “, twittou York.

Broers disse que “muitas das pessoas para as quais as cartas foram enviadas não estão frequentando a igreja em lugar algum, e isso foi meio que ‘uma chamada de alerta para elas’, você quebrou a comunhão com Deus, você quebrou a comunhão com esta igreja, você precisa voltar e se arrepender e obter o seu relacionamento com ela.'”

Da mesma forma, David Prince, que pastoreia a Igreja Batista Ashland Avenue de Lexington, defendeu Broers, twittando que líder estava “indignado porque uma igreja se importaria com seus membros o suficiente para responsabilizá-los”.

“Onde está sua indignação em relação a outros grupos que têm padrões?”

Entre os evangélicos, os requisitos de membresia da igreja variam por congregação e denominação.

Broers também disse que as pessoas que não compareceram no ano passado que receberam as cartas na semana passada eram ex-fiéis que haviam recebido cartas anteriores perguntando sobre sua filiação.

No entanto, Samantha Esters, que disse estar frequentando a igreja desde a infância, disse à afiliada local da ABC, que a única mensagem que ela recebeu ao sair da lista foi nunca mais voltar à igreja.

“Eu nunca mais quero voltar para aquela igreja”, disse ela ao receber uma carta informando-a sobre a sua saída.

Fonte: The Christian Post