A Igreja Católica de Cuba negou nesta terça-feira ter ordenado o fechamento da revista religiosa Vitral, um incomum espaço de crítica social tolerado pelas autoridades socialistas do regime da ilha.

Entretanto, o bispo da província de Pinar del Río, Jorge E. Serpa, afirmou em um comunicado que havia pedido que a revista editada por sua diocese evitasse o uso de “expressões agressivas e contestatórias”.

A Vitral, uma revista com 10 mil assinantes publicada desde 1994, anunciou dia 10 de abril seu encerramento por “falta de financiamento”.

“Nunca se falou de fechar ou terminar a revista Vitral”, disse Serpa, que assumiu o cargo em janeiro, em um comunicado.

“Foi pedido para a revista Vitral a verdade sobre o Evangelho … sem cair em expressões agressivas e contestatórias”, acrescentou.

O bispo de Pinar del Rio, a 147 quilômetros a oeste de Havana, disse que a imprensa havia “tergiversado” os motivos do encerramento da revista.

A Vitral, editada há meses com a utilizando fotocopiadoras, publicou este mês seu último número em um duro editorial sobre a situação de Cuba desde que Fidel Castro transferiu o poder, em julho passado, a seu irmão Raúl por motivos de saúde.

“Esta pode ser a hora em que os que têm as mais altas responsabilidades de governo abram cada vez mais, de forma gradual e pacífica, as oportunidades de participação para todos os cubanos e cubanas”, disse a Vitral.

Fonte: Reuters