A livraria da Sociedade Bíblica Palestina foi bombardeada nas primeiras horas do dia 15 de abril e teve destruída a maior parte do primeiro andar do prédio.

Labib Madanat, diretor executivo da entidade, afirmou o compromisso do ministério de reabrir a livraria. “A equipe começou a limpar o local e está bastante animada e determinada a voltar a funcionar e a exercer seu ministério o mais rápido possível”, contou Labib quando saía de Gaza na tarde de domingo.

Ninguém ficou ferido na explosão, que Labib descreveu como muito pior que o ataque anterior à livraria, ocorrido em 3 de fevereiro de 2006, quando duas bombas destruíram portas e vidraças da loja (leia mais).

Além dos ataques à livraria, dois cybercafés sem ligação com a Sociedade Bíblica foram também bombardeados no domingo. Alguns noticiários informaram que um pequeno grupo autodenominado “Espada do islã” reivindicou a autoria da explosão na livraria. Esse grupo reivindicou também a responsabilidade pelo ataque a 40 cybercafés e lojas de vídeo em Gaza nos últimos meses.

No ataque do último domingo, pistoleiros mascarados chegaram em dois carros à livraria, que estava sendo vigiada por um guarda noturno e o forçaram a entrar no carro. Eles se dirigiram a um local remoto no norte de Gaza, onde agrediram o guarda e exigiram a chave da livraria. Quando descobriram que a chave não estava com ele, eles o abandonaram e voltaram à loja, onde a bomba explodiu por volta das 2h30 da madrugada. Labib Madanat disse que alguns funcionários cristãos que estavam a quase quatro quilômetros de distância ouviram a explosão, que danificou também lojas vizinhas.

Mensagem de perdão

No domingo, oficiais do Ministério da Cultura da Autoridade Palestina visitaram a livraria para apresentar o apoio do governo. Os oficiais pediram à Sociedade Bíblica que continue a funcionar e estenda seu trabalho nesse território conflituoso. Labib disse a eles que a loja, que é a única livraria cristã de Gaza, irá reabrir.

Funcionários da Sociedade Bíblica enviaram uma mensagem através das equipes de televisão que cobriam o ataque dizendo que perdoavam os responsáveis pelo ataque e que tinham a intenção de continuar trabalhando. A Sociedade Bíblica, apresentada no livro “Força da Luz” (veja aqui), escrito pelo Irmão André em parceria com Al Janssen, inclui a loja e um programa de distribuição de comida para a comunidade carente de Gaza. A Portas Abertas desenvolve uma parceria de muito tempo com a Sociedade Bíblica na região.

Labib contou que, no domingo, em meio aos escombros da livraria, um funcionário cristão dividiu com ele sua grande expectativa a respeito das recentes “oportunidades maravilhosas” que estavam fazendo com a Palavra de Deus estivesse acessível aos estudantes, especialmente aos que estudam religião comparativa. “Eles chegam e procuram pelas Escrituras”, disse Labib. “Eles têm muitas dúvidas e uma incrível abertura”.

Labib concluiu: “Há tanto amor pelo povo de Gaza que será preciso uma quantidade enorme de ódio para extinguir o sentimento da equipe. Não acredito que haverá ódio suficiente para sufocar esse amor”.

Fonte: Portas Abertas