Notebook
Notebook

Uma igreja na Califórnia, nos EUA, registrou uma ação coletiva contra a Zoom Video Communications por não proteger seu estudo bíblico de ser “bombardeado” com pornografia.

A ferramenta de videoconferência Zoom se tornou mundialmente famosa durante a quarentena de combate ao novo coronavírus.

Um hacker sequestrou a videoconferência desativando outras contas e depois postou vídeos pornográficos perturbadores durante um estudo bíblico de 6 de maio.

Heddi Cundle, administrador da igreja argumentou na denúncia que a empresa não conseguiu garantir a conferência e forneceu suas informações pessoais a terceiros.

“O Zoom usa ferramentas de mineração de dados para coletar informações pessoais dos usuários e as compartilha com terceiros sem o consentimento dos usuários. O Zoom permite que esses terceiros usem essas informações pessoais para direcionar usuários com anúncios”, afirma a reclamação.

A denúncia argumenta que o Zoom violou, entre outras coisas, a Lei de Privacidade do Consumidor da Califórnia, a Lei de Recursos Legais para Consumidores e a Lei de Concorrência Desleal.

“Neste momento turbulento de uma pandemia, a importância da santidade de São Paulo não pode ser exagerada”, acrescentou o processo. “Mas o Zoom – um gigante tecnológico multibilionário que experimenta um crescimento exponencial como resultado da pandemia do COVID-19 – violou essa santidade.”

Em uma resposta por e-mail ao Christian Post sobre a queixa, um representante do Zoom disse:

“Ficamos profundamente chateados ao ouvir sobre esse incidente, e nosso coração se solidariza com os afetados por esse evento horrível. Palavras não podem expressar a força com que condenamos esse comportamento. No mesmo dia em que descobrimos esse incidente, identificamos o agressor e ação para bloquear o acesso à plataforma e denunciá-los às autoridades relevantes. Incentivamos os usuários a relatar quaisquer incidentes desse tipo ao Zoom, para que possamos tomar as ações apropriadas ou diretamente às autoridades policiais. Também incentivamos todos os anfitriões da reunião a aproveitar dos recursos de segurança atualizados recentemente do Zoom e siga outras práticas recomendadas, incluindo a garantia de não compartilhar amplamente os IDs e senhas das reuniões on-line, como parece ser o caso aqui. “

Um grande número de igrejas começou a usar o Zoom para adoração e estudos bíblicos em resposta ao cancelamento de todas as reuniões pessoais devido a preocupações com o coronavírus.

Como resultado do aumento de grupos usando o Zoom, houve um aumento na prática de invasões, no qual uma pessoa ou grupo de pessoas sequestra uma reunião on-line e publica material ofensivo.

Por exemplo, a Igreja Congregacional do Tabernáculo de Salem, Massachusetts (EUA), foi alvo de uma invasão no dia 19 de abril, durante um culto transmitido ao vivo.

Um grupo de pessoas entrou no serviço e postou imagens de uma reunião da Ku Klux Klan com gravação cruzada, e também fez várias observações racistas no sistema de áudio.

A Zoom anunciou que aprimorou sua segurança, que inclui a aquisição da empresa Keybase para melhorar a criptografia de contas pagas.

“Com o fluxo recente de usuários iniciantes, estamos nos concentrando em fornecer configurações de segurança fáceis de usar para usuários iniciantes e clientes corporativos existentes, a fim de proporcionar a todos uma experiência sem atrito e altamente segura”, disse a empresa.

Folha Gospel com informações de The Christian Post