Pais de menores denunciaram em um jornal que o religioso tocava nas partes íntimas das crianças e as assediava.

A Igreja Católica da República Dominicana suspendeu na sexta-feira de suas funções um padre polonês e pediu que retorne de seu país natal à ilha, onde exerce ministério, para que enfrente uma investigação judicial por um suposto abuso sexual contra ao menos oito menores de idade.

A congregação suspendeu Wojciech Gil de suas funções e “pediu que retorne o quanto antes ao país para responder por esta situação”, informou o arcebispado de Santiago em um comunicado, explicando que o sacerdote está de férias em seu país de origem.

“Uma vez informada, a Congregação pediu à promotoria que levasse adiante as investigações cabíveis até as últimas consequências, de acordo com as leis dominicanas, de tal maneira que a verdade e a justiça prevaleçam”, acrescentou o Arcebispado.

A acusação contra Gil em Santiago, 155 km a noroeste de Santo Domingo, ocorreu depois que vários pais de menores denunciaram no jornal El Caribe que o religioso tocava nas partes íntimas das crianças e as assediava.

Ramón Bonelly, um dos pais que denunciaram o caso, afirmou que seu filho disse a ele que o padre “passava a mão por suas partes”.

O jornal também cita Nelly Abreu, mãe de um adolescente de 15 anos ameaçado supostamente por Gil com uma pistola para que colocasse roupas íntimas femininas e desfilasse para ele.

O sacerdote dirige um grupo de crianças e adolescentes chamado de União de Resgate, no qual instruía mais de 180 menores de idade em trabalhos de socorro para desastres naturais.

[b]Fonte: Folha.com[/b]