Igreja em Santa Catarina retomou os cultos seguindo as restrições estabelecidas. (Foto: Divulgação)
Igreja em Santa Catarina retomou os cultos seguindo as restrições estabelecidas. (Foto: Divulgação)

Desde sábado (25), as igrejas estão autorizadas a realizar cultos, missas e demais expressões religiosas em algumas regiões do Brasil.

No centro sul de Santa Catarina, os templos adventistas foram reabertos para os cultos de adoração a Deus depois de mais de um mês fechadas devido à pandemia da Covid-19.

O governo do Estado autorizou na semana passada a realizações de cultos, desde que as denominações sigam algumas diretrizes, as quais foram adotadas pela Igreja Adventista.

As principais orientações foram: uso máximo de 30% da capacidade do templo para os cultos; uso de máscaras; distanciamento de 1,5 metro entre as pessoas; álcool gel disponível na entrada; janelas abertas; e grupos de risco não presentes neste primeiro momento.

“Nos preparamos, orientamos os pastores. Ficamos felizes porque as igrejas se adaptaram e conseguiram contornar qualquer dificuldade”, explica o pastor Apolo Abrascio, presidente da denominação para a localidade.

As soluções foram criativas, como a realização de mais de um culto por dia e a marcação dos bancos para manter a distância de 1,5 metro por pessoa. “Aqui na nossa igreja nós tivemos três cultos, separando os fiéis pelas classes da Escola Sabatina. Todos evitando contato físico, mas amando retornar à casa de Deus”, explica Jessé Anastácio, pastor da Igreja Adventista Central de Florianópolis.

“Tivemos dois cultos na sede do distrito, além de transmitir pelo YouTube. Algumas pessoas ainda ficaram receosas para visitarem a igreja, mas preparamos tudo para evitar o contágio do vírus. Todos os presentes estavam muito felizes por retornarem aos cultos”, acrescenta Antônio Mendes, pastor em Itajaí.

Montes Claros

Já em Montes Claros (MG), a liberação para atividades religiosas foi dada após publicação do último decreto pela prefeitura.

De acordo com o documento, as famílias devem manter distância de 4 quatro metros entre elas e cada celebração poderá durar até 45 minutos e ter até 30 pessoas.

Ainda segundo o decreto, só é permitida uma celebração por semana, mas várias em um mesmo dia desde que se obedeça ao intervalo de uma hora entre o final de uma celebração e o início de outra.

Além disso, os locais devem oferecer itens de higienização e os fiéis só podem entrar com máscara.

Na Primeira Igreja Batista de Montes Claros, o pastor responsável preparou três horários de culto no período da manhã e dois à tarde. Para que o esquema ficasse organizado, linhas telefônicas foram disponibilizadas para os fiéis informarem em qual horário iriam.

“É um recomeço, mesmo com todas as restrições. Esse reencontro foi fundamental. À medida que os decretos e as decisões forem mais flexíveis, muito mais fortes voltaremos, sem deixar de manter as recomendações sanitárias. Sem poder nos abraçar, agora, estamos ressignificando a forma de expressar sentimentos. As palavras ganharam mais força que o afeto físico”, disse Alan Taques, pastor da Primeira Igreja Batista de MOC.

Os fiéis que participaram do momento religioso se emocionaram ao poder retornar à igreja depois da proibição de combate ao coronavírus.

“Esse é um momento de muita emoção para mim. Eu esperei tanto por isso. A alegria é muito grande. Aqui, eu me sinto acolhida, eu voltei para casa, onde nós depositamos nossa esperança. Um tempo melhor há de vir, eu espero”, disse emocionada Helena Moura, aposentada, que frequenta a igreja há mais de 15 anos.

Outra instituição religiosa que se adequou às normas do decreto foi a Igreja Menino Jesus de Praga. A paróquia sinalizou os bancos e demarcou espaços para impedir que famílias se sentassem próximas. Álcool gel foi distribuído na porta e todos entraram com máscaras.

Campo Grande

As igrejas católicas de Campo Grande (MS) retomaram as missas presenciais neste final de semana. Entre as medidas de segurança adotadas estão a restrição de permanência no local de idosos e pessoas que integram o grupo de risco para o novo coronavírus (Covid-19), além de uso de máscaras e álcool em gel. 

Na Paróquia São José, localizada na região Central de Campo Grande e uma das maiores da cidade, a missa ocorreu com a presença de poucos fiéis. De acordo com o coordenador de pastoral da igreja, Bruno Cilião, as medidas de segurança foram recomendadas pela Arquidiocese de Campo Grande.

“Grupo de risco, como crianças de até 12 anos e idosos com mais 60 anos, são orientados que fiquem em casa todos os dias. As missas continuam com transmissão ao vivo pelo Youtube para que eles acompanhem”, explica.

O decreto 14.219, da Prefeitura Municipal, autorizou o retorno das atividades religiosas dentro das igrejas, que poderão ser realizadas entre 6 da manhã e às 18h30, em Campo Grande. Cultos, missas e outras manifestações estavam vetadas como parte da estratégia para evitar aglomerações e a disseminação do novo coronavírus (COVID-19).

As normas para a realização de missas incluem a higienização, restrição do acesso à pessoa do grupo de risco, além da ocupação ser limitada a uma pessoa por metro quadro no espaço de uso público, com distanciamento mínimo de 1,5 metro entre um e outro frequentador.

O decreto proíbe a participação nas manifestações religiosas dentro das igrejas de pessoas que se enquadrem nos grupos de maior risco ao novo coronavírus (COVID-19);  portadores de doenças cardiovasculares ou pulmonares; tenham imunodeficiência de qualquer espécie; transplantados;  maiores de 60 anos e  gestantes.

Para receber os fiéis, as igrejas devem ser higienizadas, antes e depois de cada utilização; oferecer de forma permanente produtos para higienização das mãos, com água e sabão e, se possível, álcool 70º;  se possível, realizar a aferição de temperatura corporal na entrada do estabelecimento, mediante utilização de termômetro infravermelho. Deve ser barrada a entrada daqueles que estiverem em estado febril.  Será obrigatório manter os locais arejados, com todas as janelas e portas abertas, além da fixação de cartazes informativos e educativos para prevenção da disseminação do novo coronavírus (COVID-19).

Joinville

Em Joinville, no Norte catarinense, foram retomados os cultos na sede da Igreja Assembleia de Deus e o espaço interno foi preparado pra receber os fiéis, de acordo com as orientações do governo como medida de controle à pandemia do novo coronavírus.

Os bancos receberam faixas de isolamento para seguir o decreto que determina que os assentos sejam alternados e espaçados, com o objetivo de manter a distância segura entre as pessoas.

Espaço entre os bancos foi adaptado para receber os fiéis — Foto: Reprodução/ NSC TV

Além disso, a medida também prevê que a lotação dos templos deve ser de 30% da capacidade máxima, que os fiéis estejam de máscaras e que as igrejas disponibilizem álcool gel a todos os presentes. Ainda conforme o governo, pessoas do grupo de risco não podem frequentar as celebrações.

As igrejas e templos religiosos de Santa Catarina estão autorizados a retomar as missas, cultos e reuniões, mas por enquanto poucas organizações religiosas já voltaram à normalidade.

Guarujá

A Prefeitura de Guarujá, no litoral de São Paulo, liberou a reabertura dos templos religiosos na cidade. O decreto, publicado nesta quinta-feira (23), determina que espaços utilizem apenas 30% da capacidade total de lotação. As restrições devem seguir até o fim da pandemia causada pelo novo coronavírus.

De acordo com o texto, os templos religiosos poderão receber pessoas apenas para ‘aconselhamentos individuais’, além de só permitir a entrada de pessoas que estejam usando máscaras.

Os templos religiosos deverão oferecer, em lugar visível, álcool em gel ou água e sabão para a higienização dos frequentadores, como medida de prevenção ao novo coronavírus. Além disso, o decreto determina que os locais utilizem apenas o máximo de 30% da capacidade total de lotação de pessoas.

Os templos religiosos serão orientados a se adequar às regras do decreto por fiscais da prefeitura, que irão vistoriar os locais. Após esta orientação, se houver desobediência das normas, o templo poderá ser autuado.

Fonte: G1, Notícias Adventistas, Correio do Estado