Grupo de discussão de uma conferência Cross-Current para jovens profissionais. (Foto: Site da Cross-Current)
Grupo de discussão de uma conferência Cross-Current para jovens profissionais. (Foto: Site da Cross-Current)

O programa de mentoria Cross-Current conduziu um estudo entre 350 cristãos formados nos últimos quatro anos, que revelou que muitos têm “um forte desejo de aplicar integridade bíblica e virtudes ao seu trabalho”, mas enfrentam “desafios reais”.

O relatório foi conduzido entre 350 pessoas na Europa e na Eurásia (massa que forma em conjunto a Europa e a Ásia) como parte do programa de orientação e treinamento Cross-Current (da Graduate Impact, um ministério da IFES Europe), com o apoio do Templeton Religion Trust.

Após extensas entrevistas e questionários com profissionais que têm entre 1 e 10 anos de trabalho, o estudo mostrou que “os jovens profissionais cristãos consideram seus valores no trabalho como contraculturais e arriscados para sua carreira ”.

De acordo com os autores, existe um “forte desejo entre os jovens profissionais cristãos de aplicar integridade e virtudes bíblicas ao seu trabalho ”. No entanto, “durante 20 anos de trabalho com jovens profissionais cristãos, vimos muitos se tornarem cristãos de fim de semana, indistinguíveis no trabalho de seus colegas, e Jesus pode ser facilmente expulso de suas vidas”, diz Tim Vickers, Diretor da Cross-Current.

Os desafios enfrentados pelos jovens profissionais “são reais, mas parecem ser mal compreendidos nos círculos cristãos” em um continente que se secularizou rapidamente, onde “grande número de pessoas de 18 a 29 anos que não se identificam com nenhuma religião”.

Os jovens profissionais cristãos priorizam o relacionamento com os colegas de trabalho, bem como o serviço e a comunidade, antes do consumo, do carreirismo e do individualismo. Mas “os efeitos colaterais negativos de tal vocação contracultural incluem marginalização, intimidação ou desemprego”.

Nesta situação, diz Adrian Petrice, que ajudou a liderar a pesquisa, muitos jovens cristãos “vivem inevitavelmente em um espaço liminar: um espaço de intersecção e grande potencial, e também um espaço que os apresenta com sérios desafios e riscos”. É por isso que eles “precisam de um apoio especial”, entendendo que também estão “em uma posição única para preencher a lacuna e trazer uma contribuição perspicaz e competente para a sociedade”.

Tim Vickers disse que o programa Cross-Current e todo o ministério focado em jovens graduados na Europa têm como objetivo “ajudar as igrejas a ver como podem fornecer o tipo de discipulado dinâmico de que essas pessoas precisam . Eles são o futuro do testemunho cristão em nossas terras”.

Algumas ideias-chave do estudo

“Os participantes do Cross-Current sugerem viver com um alto grau de criticidade. Na prática, isso significa incorporar um modo de vida alternativo. Em vez de ver o trabalho como um emprego (com um objetivo médio de pagar contas, etc.), o trabalho é visto como uma carreira e uma vocação (com um sentido inerente de significado)”.

“Os participantes observam honestamente o potencial de efeitos colaterais negativos, como marginalização, bullying ou desemprego , associados a essa vocação contra-cultural”.

Para “desenvolver um tecido para a fidelidade”, três tópicos principais são necessários: 1. Mentores – tanto a orientação de colegas quanto a orientação de modelo, para permitir uma conversa honesta. 2. Amizade – uma comunidade de participantes ativos e com interesses semelhantes para compartilhar. 3. Cosmovisão – um modelo contínuo de treinamento e ensino sobre as virtudes.

Baixe o relatório condensado (em inglês) de 30 páginas aqui .

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus