O Tribunal de Justiça de Santa Catarina decidiu, por cinco votos a quatro, anular o processo que investigou a morte da menina Gabrielli Cristina Eichholz, de apenas um ano e seis meses, em março de 2007, em Joinville. Gabrielli foi violentada sexualmente dentro de uma Igreja Adventista do Sétimo Dia, do bairro Jardim Iririú. Depois ela foi asfixiada e jogada dentro do tanque batismal, com água.

Condenado a 20 anos de prisão pelo crime, em júri que ocorreu no dia 14 de agosto de 2008, Oscar Gonçalves do Rosário deve ser solto da Penitenciária Industrial da cidade ainda nesta quinta-feira. Com a decisão do TJ, as investigações devem começar do início. Segundo os desembargadores que votaram a favor da anulação do processo, o motivo da decisão seria uma série de irregularidades nos procedimentos policiais.

Gabrielli foi levada ao templo na manhã do dia 3 de março de 2007, um sábado, pela prima da mãe, que mora com a família da menina perto da Igreja Adventista. Enquanto os adultos acompanhavam o culto, a menina teria ficado aos cuidados de uma recreadora, com outras crianças, numa sala nos fundos do templo.

De acordo com Andréa Pereira, mãe de Gabrielli, a prima disse que de dez em dez minutos ia até a sala para ver se a menina estava bem. No final do culto, a prima e o namorado foram buscar a menina e a recreadora disse que o pai tinha acabado de levá-la. Um dos pastores comunicou o desaparecimento e, minutos depois, ela foi encontrada dentro da pia batismal.

Fonte: O Globo online