Na época dos crimes, o acusado, ex-diácono Amadeu Archanjo Domingues, 67 anos, era obreiro da igreja Assembleia de Deus Independente.

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo manteve na última semana a condenação de 35 anos de prisão do ex-diácono Amadeu Archanjo Domingues, 67 anos, por ser acusado de estuprar quatro garotas, entre 9 e 13 anos. Ele também foi condenado por atentado violento ao pudor. Os crimes aconteceram entre dezembro de 2008 e março de 2009 no Jardim do Trevo, em Araçatuba. Ele segue preso.

Quando Domingues foi condenado, em 2011, seu advogado, Rodrigo Rocha de Freitas, já havia afirmado à Folha da Região que recorreria da sentença proferida pelo juiz Emerson Sumariva Júnior. No entanto, ele foi assassinado no ano seguinte, em São Caetano do Sul. Atualmente, o réu está sem defensor, segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça.

Na época dos crimes, o acusado era obreiro da igreja Assembleia de Deus Independente. O caso foi descoberto no dia 23 de março de 2009, depois que o pai de uma das meninas que era violentada chegou em casa mais cedo do trabalho e flagrou o então diácono com a vítima. A garota, de 13 anos, ficou grávida. Domingues conseguiu escapar, mas foi preso pela Polícia Rodoviária dentro de um ônibus, tentando fugir para São Paulo.

[b]FUGA[/b]

Para escapar do cerco da polícia, ele usou ônibus e linha convencional e até moto-táxi. Quando foi detido, estava com R$ 200 na carteira e uma bolsa com roupas e remédios. Ele disse que foi a Andradina depois de ter sido flagrado pelo pai da menina e ficou na cidade até o início da noite, quando foi a Valparaíso.

[b]Fonte: Folha da Região[/b]