Zaman Fadaee, Yousef Nadarkhani e Mohammadreza Omid foram presos por organizar uma igreja cristã, promover o cristianismo e atentar contra a segurança nacional (foto: Article 18)

Três cristãos iranianos, que já cumpriam as sentenças de 10 anos na prisão de Evin, Teerã, tiveram a redução da pena para seis anos, garantiu o site de notícias britânico Article 18. 

No dia 22 de junho, as sentenças do pastor Yousef Nadarkhani, de Zaman Fadaee e Mohammadreza Omidi foram alteradas. O destaque foi para o processo de Omidi, que teve a pena reduzida para dois anos. Então, ele deve ser libertado em julho de 2020.

O pastor  Yousef foi preso diversas vezes, mas foi em 2017 que a detenção dele e de outros membros da igreja aconteceu pelos “crimes” que respondem atualmente.  Logo, receberam a sentença de 10 anos de prisão por agir contra a segurança nacional, organizar igrejas domésticas e promover o cristianismo. Yousef e Omidi também foram condenados a viver dois anos em exílio no Sul do Irã.

Em outubro de 2019, os cristãos iranianos entraram com pedidos para novos julgamentos, porém, a audiência só aconteceu em maio. Durante a espera pela decisão judicial, todos permaneceram presos em condições insalubres na penitenciária de Evin, mesmo durante a pandemia da COVID-19. A crise de saúde internacional fez com que não houvesse uma audiência formal para analisar os processos e nem fosse necessária a presença dos réus diante do juiz Hassan Babaee.

As prisões iranianas são lugares comuns para cristãos que insistem em declarar a fé em Jesus e viver como discípulos dele, frequentando uma igreja doméstica e compartilhando o evangelho.

A paranoia ditatorial, opressão islâmica, corrupção e o crime organizado tornam a vida dos seguidores de Cristo muito árdua, por isso, o Irã ocupa a 9ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2020.

Fonte: Portas Abertas