A polícia no sul da Índia está procurando dois homens que atacaram um “homem santo” hindu, cortando sua perna direita e fugindo com ela.

Yanadi Kondaiah, 80, dizia ter poderes curativos na perna. Ele está se recuperando do ataque em um hospital na cidade de Tirupati no Estado de Andhra Pradesh.

A população local acreditava que podia ser curada de males físicos e espirituais ao tocar a perna de Kondaiah, e acreditava em suas previsões para o futuro.

Segundo a polícia, o incidente ocorreu em Hyderabad, a 550 km ao norte da capital do Estado.

Ato brutal

A polícia diz que há poucos dias dois estranhos se aproximaram de Kondaiah, que vive em um vilarejo perto da cidade de Tirupati, em busca de aconselhamento relativo a um problema de saúde.

Ambos voltaram para ver o idoso na terça-feira, agradecendo muito sua ajuda.
“Como o idoso tinha uma fraqueza por bebida alcoólica, ele aceitou seu convite para beber com eles”, disse o policial local, Pendakanti Dastgiri.

“Eles o levaram para um lugar ermo no subúrbio do vilarejo. Depois que o idoso perdeu a consciência por causa da bebida, eles cortaram sua perna direita a partir do joelho”, afirmou.

Dastgiri disse que a amputação foi realizada “de maneira brutal” e que a polícia ainda está procurando a perna e os homens que levaram o membro.

Segundo o policial, os homens que atacaram Kondaiah usaram uma faca para caça afiada e abandonaram a vítima para sangrar até a morte.

Moradores locais que o encontraram desacordado alertaram a polícia, que levou Kondaiah para o hospital em Tirupati.

Depois de recobrar a consciência, Kondaiah disse que não fazia idéia da razão do ataque.

“Eu sempre fui bom para os outros e ajudei todos que me procuraram. Por que fizeram isso comigo?”, perguntou ele, em prantos.

A polícia diz que o ataque pode ter ocorrido porque Kondaiah contou a um grande número de pessoas sobre os supostos poderes mágicos de sua perna.

“Mas é difícil afirmar que este foi o único motivo. Pode ter sido, também, um caso de vingança”, disse um porta-voz da polícia.

Fonte: BBC Brasil