Tanques da Rússia invadindo a Ucrânia
Tanques da Rússia invadindo a Ucrânia

Mais de 280 padres e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa estão pedindo a reconciliação e o fim imediato da invasão da Ucrânia pela Rússia, enfatizando que “o Juízo Final espera por todos”.

“Lamentamos a provação a que nossos irmãos e irmãs na Ucrânia foram imerecidamente submetidos”, escreveram os clérigos ortodoxos russos em uma carta aberta , lançada na terça-feira e que obteve assinaturas de 284 padres, arciprestes e diáconos na manhã de domingo.

Pelo menos 351 civis foram mortos e outros 707 ficaram feridos na Ucrânia desde que a invasão militar da Rússia começou em 24 de fevereiro, disse o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos no sábado, acrescentando que os números reais provavelmente serão “consideravelmente maiores”, informou a Reuters.

Além disso, mais de 1,25 milhão de pessoas fugiram da Ucrânia desde 24 de fevereiro, disse a Organização Internacional para as Migrações no sábado, chamando-a de “a maior crise humanitária que a Europa viu desde a Segunda Guerra Mundial”, informou a Fox News .

Além disso, a invasão russa deslocou internamente cerca de 4,3 milhões de pessoas na Ucrânia, disse a OIM .

“O Juízo Final aguarda cada pessoa”, escreveram os clérigos ortodoxos russos na carta.

“Nenhuma autoridade terrena, nenhum médico, nenhum guarda protegerá deste julgamento. Preocupados com a salvação de cada pessoa que se considera filho da Igreja Ortodoxa Russa, não queremos que ele compareça a este julgamento, carregando o pesado fardo das maldições da mãe”, continuaram.

“Lembramos que o Sangue de Cristo, derramado pelo Salvador pela vida do mundo, será recebido no sacramento da Comunhão por aqueles que dão ordens assassinas, não para a vida, mas para o tormento eterno”.

Eles expressaram esperança de que os soldados combatentes “tanto russos quanto ucranianos, retornem ilesos para suas casas e famílias”.

“Nos entristece pensar no abismo que nossos filhos e netos na Rússia e na Ucrânia terão que superar para começar a ser amigos novamente, respeitar e amar uns aos outros”.

Mais de 300 ministros de igrejas evangélicas na Rússia também assinaram uma carta aberta contra “a invasão da Ucrânia soberana”.

“Nosso exército está engajado em hostilidades em grande escala em outro país, lançando bombas e mísseis nas cidades de nossa vizinha Ucrânia. Como crentes, avaliamos o que está acontecendo como o grave pecado do fratricídio – o pecado de Caim, que levantou a mão contra seu irmão Abel”, diz a carta.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

Comentários