David Curry, presidente e CEO da Portas Abertas dos EUA, discursa sobre o aumento da perseguição cristã global na conferência de imprensa da Lista Mundial da Perseguição de 2020 da Portas Abertas. (Foto: Portas Abertas EUA)
David Curry, presidente e CEO da Portas Abertas dos EUA, discursa sobre o aumento da perseguição cristã global na conferência de imprensa da Lista Mundial da Perseguição de 2020 da Portas Abertas. (Foto: Portas Abertas EUA)

A organização não governamental Portas Abertas dos EUA, principal organização de vigilância da perseguição cristã, divulgou nesta quarta-feira sua lista mundial da perseguição 2020, um influente relatório anual de dados que este ano destaca um aumento drástico nos ataques a prédios cristãos e na prisão de cristãos.

O relatório, lançado pela primeira vez em 1992, classifica os piores 50 países do mundo quando se trata de perseguição aos cristãos e é baseado em dados compilados pelas operações da Portas Abertas em 60 países.

A Portas Abertas lançou o relatório de 2020 em uma coletiva de imprensa com a presença de representantes do governo Trump, do Congresso, da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA e importantes ativistas de direitos humanos.

“A Lista Mundial da Perseguição de 2020 fornecerá a você os dados de base mais credíveis sobre a perseguição cristã. Mas é muito mais do que isso ”, explicou David Curry, CEO da Portas Abertas EUA. “Vai soar o alarme.”

O relatório constata que cerca de 260 milhões de cristãos experimentam “altos níveis de perseguição” nos 50 principais países da lista, um aumento de cerca de 6% em relação ao relatório de 2019.

O relatório também afirma que 9.488 “igrejas ou edifícios cristãos” – uma média de 25 por dia – foram atacadas durante o período do relatório de 2019 (1º de novembro de 2018 a 31 de outubro de 2019). Em comparação, o Portas Abertas observou no relatório do ano passado que 1.266 igrejas ou edifícios cristãos foram atacados.

Além disso, o número de cristãos detidos sem julgamento e presos aumentou de 2.625 no relatório de 2019 para 3.711 no relatório de 2020.

O relatório de 2020, no entanto, indica uma diminuição no número de cristãos mortos por sua fé. Pelo menos 2.983 cristãos foram mortos por razões relacionadas à fé durante o último período do relatório. Isso é uma média de oito cristãos mortos por dia. Em comparação, uma média de 11 cristãos foi morta por dia (4.136) durante o período do relatório do Portas Abertas de 2018. 

Curry disse que a queda nos assassinatos que o Portas Abertas foi capaz de documentar para o relatório deste ano se deve ao grupo terrorista islâmico Boko Haram matando menos cristãos na Nigéria (nº 12).

Curry disse durante a entrevista coletiva que a Nigéria ainda representa o país mais violento do mundo para os cristãos, tanto quanto os dados da organização podem rastrear.

“A diferença este ano é principalmente porque, na Nigéria, o Boko Haram mudou sua tática”, disse Curry. “Eles passaram de assassinatos e esse tipo de coisa a ataques na estrada contra cristãos e sequestros. Então, vimos um salto nesse tipo de coisa. Mas o Boko Haram também está abrindo suas asas nos Camarões e no Chade, mas também no Burkina Faso.”

Folha Gospel com informações de The Christian Post