Manifestantes se reúnem nesta sexta-feira (27) em Washington para protestar contra o aborto. A chamada “Marcha pela Vida” é realizada anualmente na capital americana desde que Suprema Corte decidiu legalizar o aborto no país, em 1973.

Nesta 44ª edição, os manifestantes têm o apoio do presidente Donald Trump e de seu vice, Mike Pence, que discursou em um palco montado na cidade. Pence disse aos manifestantes que a oposição ao aborto está ganhando força no país.

“Por causa de todos vocês e muitos milhares de pessoas que marcham em todo o país, a vida está vencendo de novo na América”, afirmou em seu discurso.

Pelo Twitter, Trump declarou seu apoio à marcha. “A #MarchaPelaVida é tão importante. A todos vocês que estão marchando — vocês têm meu total apoio”, postou.

Os organizadores disseram que esperam a participação de 50 mil manifestantes.

Trump, que há alguns anos defendia o direito das mulheres de decidir sobre a gravidez, se ajustou às ideias republicanas de oposição total ao aborto durante a campanha presidencial.

Uma das primeiras ordens executivas assinadas pelo presidente foi a que [url=https://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=33296]proibe o uso de dinheiro do governo para subvencionar grupos que pratiquem ou assessorem o aborto[/url] no exterior – uma política implantada por Ronald Reagan na década de 1980 e que seu antecessor, Barack Obama, tinha cancelado.

Uma lei aprovada há mais de 50 anos já proíbe que organizações estrangeiras utilizem dinheiro do governo americano para realizar abortos ou encorajar sua prática, mas Reagan foi além ao impedir sequer que esses financiamentos fossem concedidos.

[b]Fonte: G1[/b]