Pedofilia na igreja
Pedofilia na igreja

Um total de 158 membros da Igreja Católica chilena – entre bispos, padres e laicos – estão sendo investigados como autores ou acobertadores de abusos sexuais contra menores e adultos que se estenderam por quase seis décadas, segundo uma lista revelada pela Procuradoria Nacional.

Os casos se referem a 144 investigações sobre fatos ocorridos desde 1960 até a presente data e envolvem 178 delas meninos, meninas e adolescentes, segundo dados repassados à imprensa pelo procurador Luis Torres.

“A maioria dos fatos denunciados corresponde a crimes sexuais cometidos por padres ou pessoas ligadas a estabelecimentos de ensino”, aponta o cadastro entregue nesta segunda-feira (23).

O Ministério Público explicou que foram incluídos no levantamento todos que faziam parte do clero no momento da prática dos crimes – bispos, padres ou presbíteros e diáconos -, bem como “pessoas pertencentes a vida consagrada”, ou seja, “freiras, monges, frades e religiosos”.

O cadastro também inclui “leigos que exerciam alguma função na esfera eclesial”, como os coordenadores das áreas pastorais das escolas.

Dos investigados, 74 não pertencem a nenhuma congregação religiosa, enquanto 65 são, em sua maioria, membros dos salesianos e maristas. A investigação também identificou 10 leigos.

Sobre as vítimas, 178 delas são crianças e adolescentes; 31 adultas e “58 sem especificação, relacionadas a casos notificados” antes da vigência da Reforma do Processo Penal (RPP), que começou a operar no Chile no ano 2000.

Atualmente, existem 34 investigações em andamento com processos pendentes e 107 já foram concluídas. Em 23 dos casos houve condenações e um caso terminou em absolvição.

O papa Francisco aceitou a renúncia de cinco bispos chilenos, quatro deles acusados de encobrir os abusos sexuais cometidos por padres. O pontífice criticou duramente a hierarquia da Igreja chilena pelo tratamento dado às denúncias das vítimas.

Fonte: Exame