Ministro da Defesa, Raul Jungmann (abril 2018)
Ministro da Defesa, Raul Jungmann (abril 2018)

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, reuniu líderes religiosos nesta segunda-feira (30) para discutir medidas contra a violência.

O encontro faz parte de estratégia do governo federal para ampliar a participação da sociedade na “construção de uma cultura de paz”, informa reportagem do GaúchaZH.

Jungmann anunciou a criação de um conselho para coordenar ações conjuntas, especialmente na área de prevenção de crimes. O ministro disse que as igrejas “já ajudam muito”, mas entende que a atuação pode ser ampliada, com foco em jovens que vivem nas cidades mais violentas.

“Vamos trabalhar junto à juventude, precisamos estender a mão e achar maneiras de inseri-la na sociedade para que não seja atraída pelo crime organizado. Neste papel, as igrejas são insubstituíveis, têm trabalho social, têm uma palavra de valores, de princípios, de respeito ao outro”, justificou.

Jungmann disse que 111 cidades brasileiras (2% do total) concentram 50% dos homicídios do país. Por isso, o governo convocou as entidades religiosas e sociais a direcionarem atenção maior a estas regiões.

Na reunião, o ministro apresentou análise sobre os números do crime. Destacou que a população carcerária no Brasil cresceu mais de 400% entre 1990 e 2016. Hoje, a estimativa é de que o país possui 855 mil presos, terceira maior população carcerária do mundo, atrás apenas de China e Estados Unidos. A estatística também mostra que três em cada quatro apenados são jovens, e 40% do total não têm condenação judicial.

– Reclamamos da violência e, ao mesmo tempo, jogamos milhares e milhares de jovens para o berçário do crime organizado – afirmou.

Participaram do evento, no Palácio da Justiça, em Brasília, representantes das religiões católica, evangélica, espírita e de matriz africana, além de associações que atuam na área social. Bispo da Igreja Universal, Eduardo Guilherme falou sobre os resultados de projeto que envolve 200 pastores e milhares de voluntários em presídios brasileiros.

“No ano passado, tivemos 7 mil pessoas ressocializadas, 23 mil que se batizaram dentro dos presídios e assumiram publicamente abandonar o crime.”

O bispo disse que está disposto a reforçar a atuação junto aos presos. Também sugeriu que o governo apoie a ampliação de trabalho da igreja nos batalhões de polícia, para que os profissionais de segurança recebam apoio espiritual e emocional.

Jungmann disse que o encontro desta segunda foi o primeiro e que o governo está disposto a manter agenda com líderes religiosos para a implementação de atividades contra a violência.

Na última semana, o ministro reuniu empresários para falar sobre o tema, e ainda chamará para reuniões representantes de ONGs, sindicatos e outras entidades que atuam na área social.

Fonte: Gaúcha ZH