Maria Edna do Carmo visita o túmulo do filho, o pastor Anderson do Carmo. (Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo)
Maria Edna do Carmo visita o túmulo do filho, o pastor Anderson do Carmo. (Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo)

A mãe do pastor Anderson do Carmo de Souza, marido da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) assassinado no dia 16 de junho do passado em Niterói, morreu na madrugada desta quarta-feira, após complicações de uma diabetes.

De acordo com o advogado da família do pastor, Ângelo Máximo, Maria Edna Virgínio do Carmo, de 65 anos, teve um infarto em São Paulo, onde morava.

O advogado conta que Dona Maria Edna vinha se queixando de problemas de saúde, inclusive dizendo a ele no último dia 11 de março que havia tido um princípio de infarto. A idosa deixa um marido e dois netos, da filha, Michele do Carmo de Souza, 39, que morreu no dia 21 de outubro por causa de complicações de uma anemia.

“Nós estamos hoje, há nove meses e 22 dias da morte do pastor, com uma sensação de impunidade no âmbito da família Anderson do Carmo, que serviu para matar a Michele em outubro e matar a mãe hoje”, o advogado afirmou.

Até o momento, a investigação sobre o assassinato do pastor Anderson do Carmo indiciou dois filhos do casal, acusados de envolvimento no crime. Flávio dos Santos Rodrigues e Lucas Cézar do Santos de Souza, filhos biológico e adotivo de Flordelis, respectivamente, respondem na Justiça por homicídio qualificado.

“A grande justiça que a Maria Edna e a Michele queriam ver eram o resultado dessas investigações e futuramente a justiça ser feita. O que não aconteceu”, Máximo lamentou.

Dona Maria Edna e a filha Michele seriam assistentes de acusação junto ao Ministério Público estadual (MPRJ) no julgamento de Flávio e Lucas. Em um dos depoimentos que deu à polícia, a mãe do pastor disse que o filho era envenenado durante as refeições na própria casa e que sua morte foi encomendada após o envenenamento não surtir efeito.

Fonte: O Dia