“Vocês vandalizaram meu coração, rasgaram minha alma e queimaram minha consciência. Vocês achavam que era um garoto patético que vocês estavam extinguindo. Graças a vocês, eu morri. Como Jesus Cristo, para inspirar gerações de pessoas fracas e indefesas.”

Falando assim, direto para a câmera, muitas vezes de forma desconexa, incompreensível e sem especificar quem seriam “vocês”, o sul-coreano Cho Seung-hui, o assassino de 32 pessoas da Universidade Técnica de Virgínia, nos Estados Unidos, inicia um dos 23 vídeos enviados num pacote à rede de TV NBC, em Nova York, no que foi considerado um “manifesto multimídia”.

“Vocês tiveram 100 bilhões de chances de evitar este dia, mas decidiram derramar o meu sangue. Vocês me encurralaram e só me deixaram uma opção. A decisão foi de vocês. Agora vocês têm sangue em suas mãos e nunca vão conseguir limpá-las.”

O estudante enviou uma correspondência ao departamento de jornalismo da emissora mais de 40 minutos depois de matar duas pessoas em seu primeiro ataque, na segunda-feira (16), e mais de uma hora antes do massacre que deixou outras 30 pessoas mortas, além dele mesmo.

Dentro do pacote havia 23 vídeos curtos em que Cho fala diretamente à câmera. Segundo o diretor da NBC, ele não cita nomes, mas fala por algum tempo sobre religião e seu ódio à riqueza. Há também fotografias e um CD-Rom com vídeos e mais de cem linhas de texto do manifesto. Segundo investigações preliminares, todo o material foi produzido por ele mesmo, sozinho.

A produção dos vídeos indica que Cho vinha trabalhando no pacote a algum tempo, pois além de ter demorado para gravar todos os vídeos, ele os quebrou em fragmentos incluídos entre os parágrafos do texto que ele enviou.

O pacote incluía fotografias em que ele aparece em locais diferentes. Em algumas delas, ele aparece portando armas similares às usadas no massacre. Outras o mostram segurando uma faca ou posando ao lado de balas alinhadas numa mesa.

Segundo o âncora de TV da rede, Brian Williams, o material pode ser descrito como um “manifesto multimídia”. Segundo a NBC, no vídeo Cho fala direto à câmera e faz menção ao massacre dizendo que “isso não precisava acontecer”.

Fonte: Gazeta Online