Cristãos sofrem ataques na Nigéria
Cristãos sofrem ataques na Nigéria

Um novo relatório parlamentar levantou temores de um “genocídio em desenvolvimento” na Nigéria, onde milhares de cristãos foram mortos nos últimos anos.

O relatório, do Grupo Parlamentar de Partidos do Reino Unido para a Liberdade Internacional de Religião ou Crença (APPG-FoRB, sigla em inglês), alerta sobre o aumento da violência na região central da Nigéria, onde as comunidades agrícolas cristãs estão sendo alvo de pastores étnicos Fulani.

O relatório, resultado de uma investigação de um ano, alerta que “a violência ceifou a vida de milhares de pessoas e desalojou centenas de milhares mais”.

“Causou uma devastação humana e econômica incalculável e aumentou as tensões etno-religiosas existentes”, diz o documento.

A violência é atribuída a uma série de fatores, incluindo a competição por recursos e a disseminação da ideologia extremista no país, mas o relatório também culpa o governo nigeriano por não responder adequadamente.

O relatório é dedicado a Leah Sharibu, uma estudante cristã que foi sequestrada há dois anos pelo grupo radical islâmico Boko Haram que invadiu uma escola em fevereiro de 2018, levando a jovem e mais de 100 meninas para o cativeiro. Ao contrário de suas colegas, Leah não pôde voltar para casa, porque ela se recusou a renunciar sua fé em Jesus.

Em outros lugares, destaca ataques terríveis aos cristãos por militantes pertencentes ao Boko Haram e uma facção, província do Estado Islâmico da África Ocidental, que está ligada ao Estado Islâmico (ISIS, sigla em inglês).

“Os cristãos estão sendo alvos implacáveis, especificamente por causa de sua fé”, alerta o relatório.

“Sem dúvida, os muçulmanos pacíficos, por meio de violência colateral, também podem se tornar vítimas dessa cruel ideologia religiosa islâmica.

“É uma ideologia destrutiva e divisória que rapidamente se transforma em crimes contra a humanidade e pode abrir o caminho para o genocídio. Não devemos hesitar em dizer isso”.

O relatório apela à comunidade internacional para que tome medidas para conter a violência e levar os autores à justiça. 

Jim Shannon, presidente do APPG-FoRB, pediu ao governo do Reino Unido que priorizasse a perseguição cristã.

“Entre todas as injustiças para o Reino Unido ajudar a corrigir em um futuro próximo, a perseguição generalizada e crescente dos cristãos deve estar no topo da lista”, disse ele no comunicado ao relatório.

“Esses cristãos e outras minorias perseguidas devem ser nossa prioridade após uma pandemia que pode devastar comunidades já ameaçadas de extinção.

“Assim, como o Reino Unido enfrenta o desafio de bloquear e quarentena em massa pela primeira vez na memória, peço que vocês pensem nos cristãos que enfrentam não apenas uma pandemia, mas também ameaças de violência e perseguição que não podemos imaginar”.

Mervyn Thomas, executivo-chefe da Christian Solidarity Worldwide, congratulou-se com o relatório, dizendo que chamou a atenção necessária para a “terrível situação das comunidades étnico-religiosas vulneráveis” na região central da Nigéria.

“Esperamos que este relatório sirva de alerta, alertando o governo do Reino Unido e outros da necessidade de ações rápidas e concretas para pôr fim a esta terrível crise de direitos humanos”.

A mãe da adolescente sequestrada Leah Sharibu, Rebecca, disse aos parlamentares britânicos no lançamento online do relatório que “não se cansem ou desistam de nos ajudar”. “O cativeiro e o assassinato continuam”, disse Sharibu, exortando o governo do Reino Unido a “cobrar a responsabilidade das autoridades nigerianas”.

Limpeza étnica

Além do Boko Haram, os cristãos nigerianos têm que enfrentar a violência de pastores de cabras e agricultores da etnia Fulani, que matou e deslocou milhares de pessoas. A maioria deles são cristãos que vivem na região do Cinturão Médio da Nigéria, onde o norte predominantemente muçulmano e o sul cristão se encontram.

Embora as causas profundas da violência sejam complexas e muitas vezes disputadas, as comunidades locais dizem que o conflito não pode mais ser descrito como “confrontos entre Fulanis e cristãos”, pois os agressores estão bem armados e as vítimas enfrentam violência extrema.

Faces da Perseguição

As maiores vítimas da perseguição no país têm sido os órfãos e viúvas. Além de sequestrar mulheres e crianças, o Boko Haram deixa um rastro de morte de homens, principalmente líderes cristãos, por onde passam. Esse foi o caso da cristã Damaris. Seu esposo foi brutalmente assassinado durante um ataque do grupo em sua vila. Apesar de considerar esse o pior momento de sua vida, Damaris buscou a ajuda do Senhor e recebeu seu auxílio.

Durante esse período, a Portas Abertas a ajudou com as despesas da escola, roupas e fonte de sustento para a manutenção da família. “Eu fui realmente impactada. Por conta disso, fiquei alegre novamente. Deus usou a Portas Abertas para mudar a minha vida e dos meus filhos.” Damaris faleceu em 2018, após anos de uma luta contra o câncer.

Para ver o testemunho de Damaris e de outros cristãos perseguidos pelo mundo, você pode acessar o site da Portas Abertas e acompanhar a série de vídeos Faces da Perseguição, que a cada semana traz um cristão perseguido contando seu testemunho de fé e de como Deus o tem sustentado.

Folha Gospel com informações de The Christian Today e Porta Abertas