Cristãos sofrem perseguição na Somália
Cristãos sofrem perseguição na Somália

O marido de Sa’aada Hussein não parecia ser um muçulmano muito devoto pelos rígidos padrões da Somália; ele, inclusive, já havia mastigado a khat, uma planta africana que produz euforia, que os líderes islâmicos proíbem.

Assim, a mulher não pensou que não haveria problema se ela pedisse ao marido permissão para ele ler a Bíblia.

Sa’aada cresceu assistindo os membros da família praticarem rituais muçulmanos em Bosaso, no norte da Somália, mas ela, secretamente, começou a crer em Cristo aos 20 anos.

Depois de se casar com um muçulmano em 2010, ela reprimiu sua fé, mas secretamente recomeçou sua vida com Cristo em 2017. Ela tinha dois filhos pequenos quando começou a ler novamente, a Bíblia que havia ganhado quando era solteira.

“Eu temia que meu marido pudesse relatar minha crença em Issa [Jesus] aos meus parentes, então permaneci uma cristã secreta por um ano”, disse Sa’aada, 32 anos, por telefone ao Morning Star News.

“Em janeiro de 2019, decidi pedir ao meu marido que me permitisse ler a Bíblia, mas ele recusou, apesar do fato de não ser um muçulmano fervoroso”, contou.

Em vez de permitir que a mulher lesse a Bíblia, o marido a denunciou a familiares em um país onde deixar o Islã é punível com a morte. Mesmo se um tribunal governado pela sharia (lei islâmica) não a executasse, em muitas famílias os parentes a apedrejariam até a morte.

Sa’aada conta que em 20 de fevereiro, foi convocada pela família e membros do clã sobre a questão da leitura da Bíblia. “Eu sabia que o resultado seria desastroso, então o deixei”.

Temendo por sua vida e sabendo que a lei islâmica dá a custódia dos filhos ao pai muçulmano quando uma esposa muçulmana deixa o Islã e é sumariamente divorciada, ela deixou sua família e meios de subsistência em vez de renunciar a Cristo, contou.

Ela teve que sair de casa, deixar tudo, incluindo seus filhos, agora com 6 e 8 anos. Sa’aada também deixou para trás seu sustento, um trabalho bem-sucedido vendendo roupas nos negócios da família.

“Por causa de questões culturais e opressão das mulheres no Islã, perdi meus filhos, pais e parentes como resultado da minha conversão, que foi uma provação extremamente dolorosa e meu espírito ficou ferido”, disse ela. “É difícil alcançar meus filhos agora depois de oito meses longe.”

Por segurança, Sa’aada vive em outra parte não divulgada da Somália.

A conversão de Sa’aada começou quando ela passou a ter interesse em livros que o Islã reconhece: a Torá, Salmos e Evangelhos. Ela diz que esse foi o começo para que se tornasse uma cristã.

“Não os encontrei por muito tempo, nem perguntei a ninguém, porque temi pela minha vida”, disse ela. Depois de alguns anos, conheci um crente somali na minha aldeia que me cortejou para ser sua namorada. Depois de um ano, perguntei se ele poderia me conseguir os outros livros islâmicos, o que ele fez através de seu amigo queniano”, lembra.

Ele trouxe para ela uma Bíblia, assegurando que ela incluía o Taurat (Torá), Zabur (Salmos) e Injeel (Evangelhos), disse ela. Depois de ler a Bíblia, ela concluiu que os muçulmanos estavam errados ao acusar os cristãos de usarem textos corrompidos.

“Quando li a Bíblia, escolhi ser seguidor de Issa (Jesus)”, disse.

No entanto, seu namorado saiu para estudar e ela sufocou sua fé em Cristo por oito anos, até durante seu casamento com um muçulmano.

“No final de 2017, decidi me reconectar com meu velho amigo que havia me dado a Bíblia e recomecei minha vida com Issa”, disse ela, que encontrou família espiritual em uma igreja subterrânea.

“Gostaria de ajudar outras mulheres, ex-muçulmanas crentes em Cristo, a terem cuidado com o casamento com muçulmanos, pois isso fará com que elas sofram dores e choques, como fiz quando perdi todo o meu sustento, para que agora eu tenha que viver com amigos”, relata.

O líder da igreja subterrânea solicitou oração por ela e outros cristãos.

“Por favor, estou solicitando que a igreja livre ore por Sa’aada e outros convertidos do Islã ao Cristianismo, para obter conforto e apoio ao abraçar a nova fé em Cristo”, disse ele. “Alguns deles vivem em uma situação desesperadora e precisam ser consolados pelo Espírito Santo.”

A constituição da Somália estabelece o Islã como a religião do estado e proíbe a propagação de qualquer outra religião, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA. Também exige que as leis cumpram os princípios da lei islâmica, sem exceções no pedido de não-muçulmanos.

A Somália é classificada em 3º lugar na lista de observação mundial do grupo de apoio cristão Open Doors ‘2019 dos 50 países onde é mais difícil ser cristão.

Fonte: Guia-me com informações de Christian Headline