Uma testemunha de acusação contra o pastor Marcos Pereira retirou sua queixa durante a primeira audiência em São João de Meriti, Rio de Janeiro (RJ), na segunda-feira.

A mulher é uma das testemunhas de um dos processos movidos contra o líder da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD), que responde por dois estupros e por coação.

Apesar da retirada da queixa, o Ministério Público afirmou que vai manter a denúncia contra o pastor e acredita que tenha havido coação.

Segundo relatórios da mídia, foram encontradas contradições entre depoimentos que ela deu na polícia e depois na Justiça.

[img align=left width=300]http://images.christianpost.com/portugues/middle/55903/pastor.jpg[/img]Marcos Pereira está atualmente preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Rio de Janeiro (RJ).

Segundo informações do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), quatro testemunhas de acusação foram ouvidas na audiência. Elas teriam confirmado os abusos sexuais por parte do pastor.

Entretanto, nenhuma delas foi capaz de confirmar os fatos narrados na denúncia do processo.

Entre as testemunhas de defesa estiveram, a esposa do pastor e uma outra suposta vítima, que voltou atrás em sua denúncia e passou a figurar como testemunha de defesa do pastor.

A mulher de Marcos Pereira, Ana Madureira da Silva, foi inclusive, uma das supostas vítimas iniciais, a qual negou a acusação de estupro.

No último dia 12, entretanto, Dona Ana foi indiciada por denunciação caluniosa, depois de ter negado a sua acusação contra o pastor em um vídeo postado no YouTube.

Um pedido de relaxamento da prisão de Marcos Pereira feito por sua defesa no final da audiência foi negado pelo juiz.

As acusações de estupro vêm a partir de investigações sobre as acusações do coordenador da AfroReggae, José Júnior contra o pastor Marcos.

José Júnior o acusou de querer matá-lo e de ter envolvimento com tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]