Um enterro em massa na Nigéria (Foto: Release International / Rev Hassan John)
Um enterro em massa na Nigéria (Foto: Release International / Rev Hassan John)

A Release International, uma organização que monitora e denuncia a perseguição de cristãos em todo o mundo, está alertando sobre um “genocídio em curso” na Nigéria, à medida que os ataques continuam inabaláveis ​​nas aldeias cristãs.

A entidade estima o número de nigerianos mortos em ataques violentos este ano em 5.100, enquanto a ONG Intersociety estima que haja “uma média diária de cerca de cinco mortes de cristãos”.

Pastores e igrejas estão sendo alvos, disse Release, enquanto algumas aldeias capturadas receberam nomes islâmicos.

Os ataques estão concentrados nos Cinturões Norte e Médio, e o jornalista nigeriano Rev Hassan John acredita que o padrão de violência carrega as marcas de uma jihad não declarada.

“Muitos estão descrevendo isso como um genocídio em andamento. Pessoas morrem todos os dias”, disse ele.

“Quantos mais precisam morrer antes que a comunidade internacional reconheça isso como genocídio?”

O reverendo John alertou que os pastores Fulani armados agora têm uma nova arma – uma substância química que acelera o incêndio e está sendo usada em ataques incendiários em aldeias cristãs. 

“Eles estão usando o produto químico em bombas de gasolina”, disse ele.

“Estamos no meio da estação das chuvas agora, mas isso queima mesmo na chuva, e quando eles jogam no prédio queima até o cimento.

“Não queima apenas a cobertura de metal, mas também descasca o gesso dos edifícios.”

O Rev John é apoiado pela Release International em seu trabalho ajudando pastores em comunidades afetadas pela violência, e é o principal orador nas palestras online da organização de direitos humanos sobre a situação na Nigéria esta semana.

Ele acredita que grande parte da violência deriva da implementação da lei Sharia em 12 estados do norte nos anos 2000.

“Há uma história de jihad e conquista. Vemos o mesmo modus operandi da conquista jihadista de 1800 se repetindo”, disse ele.

O reverendo John acha que o Ocidente está fechando os olhos para a dimensão religiosa da violência por medo de ser rotulado de islamofóbico.

“No Ocidente, as pessoas estão cansadas de qualquer conflito que tenha a ver com religião, que mencione o Islã ou os muçulmanos. Isso é compreensível, vindo da guerra do Iraque e da questão da islamofobia”, disse ele. 

Ele chama de “simplista” pensar que a violência é apenas uma disputa tribal por recursos naturais.

“Esses ataques destroem vilas e matam mulheres e crianças à noite. Se foi apenas uma escaramuça, como você explica a morte de mulheres e crianças predominantemente?” ele disse.

“Se fosse apenas um confronto entre pastores e fazendeiros Fulani, por que eles atacariam uma igreja e a incendiariam, alvejariam os líderes da igreja e os matariam?

“Aqueles que tentam descartar isso como uma luta econômica pelos recursos trazidos pela mudança climática têm muito o que explicar”.

O CEO da Release, Paul Robinson, está conclamando a comunidade internacional a tomar medidas para impedir a violência.

“Quase não se passa uma semana sem relatos de ataques contra aldeias cristãs. Visitamos as vítimas nos campos de deslocados, muitas das quais, incluindo crianças, têm feridas de facão terríveis”, disse ele.

“Pedimos à comunidade internacional que investigue as raízes desta violência crescente, que se parece cada vez mais com uma jihad não declarada e um genocídio em andamento”.

Folha Gospel com informações de The Christian Today