Mulheres cristãs argelinas cantam enquanto exigem liberdade religiosa em uma manifestação pacífica em Tizi-Ouzou, outubro de 2019.
Mulheres cristãs argelinas cantam enquanto exigem liberdade religiosa em uma manifestação pacífica em Tizi-Ouzou, outubro de 2019.

A campanha para fechar os locais de culto protestante na Argélia, lançada pelo governo há um ano, tornou-se uma questão internacional de direitos humanos.

Os adoradores não pararam de cantar “Aleluia” quando os policiais entraram na igreja da Fonte da Luz em Makouda na semana passada, apenas algumas horas antes da maior igreja protestante da Argélia, a Igreja Evangélica Plena de 700 membros de Tizi-Ouzou (EPPETO) também ser fechada, apesar da oposição pacífica de seus membros. Um dia depois, o local de culto da igreja de Tafath, na mesma cidade, também viu oficiais de segurança fecharem suas instalações. (Veja vídeo da chegada dos policiais em um das igrejas, no final desta matéria)

Entre 50.000 e 100.000 cristãos protestantes na Argélia testemunharam no ano passado como os locais de culto, de pelo menos 12 das cerca de 50 igrejas cristãs foram fechados . Os fiéis protestaram pacificamente nas ruas pedindo para “parar os fechamentos” e a “intimidação” .

As autoridades dizem que a campanha é justificada pela lei de 2006 para locais de culto não muçulmanos, conhecida como ordem 03-06, que força os cristãos e outros grupos religiosos minoritários a obter uma licença especial.

Por mais de uma década, os crentes denunciaram que seus pedidos de registro foram sistematicamente ignorados pelas autoridades.

Os cristãos argelinos dizem que “não temem” e que a pressão do governo levou a “uma unidade mais forte do que nunca entre as igrejas”. Uma fonte argelina acrescentou que “o fechamento de edifícios significará a abertura de” novos grupos em casas “.

“Eles podem fechar nossos templos, mas nunca podem fechar os corações que estão recebendo a Cristo (…) Cadeiras, microfones podem ser tirados de nós, eles não nos dão vistos, mas nunca tirarão Cristo de nossos corações ”, disseram líderes cristãos.

França

Um dos países que mais acompanha a situação na Argélia é a França . Na cidade de Mulhouse, 500 pastores enviaram uma mensagem conjunta a Emmanuel Macron , presidente da França. Eles pediram à mais alta autoridade do país para agir e pressionar a Argélia para garantir a liberdade religiosa e a liberdade de culto.

Os pastores franceses denunciaram “a perseguição de homens e mulheres pelo único motivo de praticar ilegalmente sua fé”. A declaração acrescenta: “Os pastores reunidos aqui querem acreditar que a França não ficará calada diante dessa perseguição”.

Segundo o site de notícias francês Evangeliques , manifestações em apoio aos cristãos argelinos haviam sido convocadas para 24 de outubro em cidades francesas como Paris, Estrasburgo, Lyon, Marselha e Metz. Eles foram organizados pelo movimento # JeSuisChrétienAlgérien

Uma petição na internet intitulada “Não ao fechamento de igrejas na Argélia” já alcançou 68.000 assinaturas .

ONG de Direitos Humanos

Entre as organizações que se manifestaram sobre a campanha anti-protestante na Argélia está a influente ONG Human Rights Watch (HRW). Em 24 de outubro, emitiu uma declaração sobre “a repressão à fé protestante”.

O grupo de direitos humanos afirmou que “a Portaria 06-03, ao impor proibições gerais ao proselitismo, que se aplicam apenas a não muçulmanos, viola o direito dos indivíduos sob o PIDCP à liberdade de ter ou adotar uma religião ou crença de sua escolha” . A HRW conclui, portanto, que “todas as igrejas que foram fechadas arbitrariamente devem poder reabrir”.

Também em nível global, a Aliança Evangélica Mundial levou o caso das igrejas protestantes argelinas ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, pedindo ao governo interino que “permita que os prédios da igreja fechados à força reabram, encerre a campanha contra as igrejas protestantes e revise o processo de registro ”.

Abaixo, vídeo do momento em que policiais entram em uma igreja evangélica protestante perto de Tizi-Ouzou para fechá-la. Os membros da igreja não param de cantar e resistem pacificamente.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus