Ativistas pró-vida protestaram do lado de fora da Assembléia de Stormont na Irlanda do Norte, em 21 de outubro de 2019. / Facebook Both Lives Matter
Ativistas pró-vida protestaram do lado de fora da Assembléia de Stormont na Irlanda do Norte, em 21 de outubro de 2019. / Facebook Both Lives Matter

Na primeira sessão do parlamento Stormont em Belfast em mais de dois anos, os representantes que se opõem à mudança de legislação apoiada pelo Parlamento Wesmtinster em Londres não conseguiram impedir a aplicação da nova norma.

O aborto será legal a partir de março de 2020 . Durante os próximos cinco meses, o aborto não será regulamentado.

Até agora, o aborto na Irlanda do Norte era legal apenas em casos muito específicos. Grupos pró-vida dizem que mais de 100.000 vidas de bebês foram salvas até agora .

A mídia descreveu a nova legislação como o “regime de aborto mais liberal do Reino Unido”. Mulheres e meninas na Irlanda do Norte poderão interromper a gravidez sem serem processadas. 

“Choramos por nossa nação e oramos por nossa terra”

“ Hoje lamentamos e choramos. Choramos por nossa nação e oramos por nossa terra ”, disse Peter Lynas, diretor da Aliança Evangélica da Irlanda do Norte . “Amanhã continuaremos acreditando que as duas vidas são importantes. Continuaremos a falar por aqueles que não têm voz. Continuaremos orando como recurso da igreja na missão do Reino”.

Escrevendo no Twitter, Lynas acrescentou que “as pesquisas mostram que a maioria das pessoas na Irlanda do Norte vê isso como uma lei ruim sendo implementada por meio de um processo ruim que leva a consequências ruins para mulheres e crianças por nascer”.

A Aliança Evangélica e outros grupos religiosos e seculares têm trabalhado juntos em várias campanhas para defender que tanto a vida das mães quanto os nascituros são importantes.

Em setembro, 20.000 pessoas caminharam em silêncio contra esse relaxamento drástico da lei do aborto. “Não fomos questionados sobre essa mudança antidemocrática, que não reflete a opinião pública ou política aqui”, disseram.

A colaboração entre diversos grupos pró-vida continuará com o objetivo de revogar a lei. “Quando a Assembleia for convocada, trabalharemos para reverter essa má lei”.

O co-fundador do grupo pró-vida Both Lives Matter, Dawn McAvoy, disse: “Tivemos mais de 1000 dias sem governo, e ativistas pró-aborto infelizmente se aproveitaram disso. Sua resposta à crise da gravidez é o aborto. Dizemos que as mulheres merecem melhor que o aborto.”

Enquanto isso, o CEO do grupo cristão de política CARE disse : “Hoje é um dia trágico para quem apoia o valor da vida na Irlanda do Norte. (…) Isso não é progresso; é um passo retrógrado. O povo da Irlanda do Norte merece mais do que isso ”. Ela acrescentou: “Continuamos acreditando que a vida importa e que nosso trabalho é uma voz para os que não têm voz e defende uma maneira melhor de manter a dignidade de mães e bebês ”.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus