Governo da Argélia está fechando igrejas no país e impedindo os cristãos de cultuar a Deus.
Governo da Argélia está fechando igrejas no país e impedindo os cristãos de cultuar a Deus.

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (CDH-ONU) aumentou sua pressão sobre a Argélia , pedindo a seu governo que esclareça como está tratando a minoria cristã protestante.

Uma carta assinada por três relatores especiais do CDH da ONU (liberdade de religião e crença, liberdade de reunião e associação pacífica e de minorias) foi enviada em dezembro de 2020 ao presidente do governo da Argélia pedindo “informações detalhadas” sobre o fechamento de locais de culto protestante em todo o país.

Agora, as Nações Unidas tornaram a carta pública.

O documento de 7 páginas resume alguns dos últimos desenvolvimentos que constituem uma violação dos direitos humanos na Argélia, especialmente aqueles relacionados ao “fechamento de locais de culto e igrejas filiadas à Igreja Protestante da Argélia (IPA), bem como as ações de discriminação contra os membros da minoria cristã protestante ”.

A IPA é a entidade que reúne o maior número de igrejas protestantes do país, sendo uma pessoa jurídica reconhecida há mais de 70 anos. O grupo perdeu seu status legal depois que as autoridades não renovaram seu registro oficial, apesar de várias tentativas.

Não apenas 13 igrejas afiliadas à IPA foram fechadas pelas autoridades desde janeiro de 2018, mas outros 49 locais de culto protestantes estão ameaçados de fechamento, denuncia o CDH da ONU.

“Esta incerteza”, diz a carta, “é reforçada por declarações públicas de representantes políticos nas redes sociais, nas quais alegadamente se recusaram a permitir a reabertura de locais de culto fechados e falaram da necessidade de fechar todas as igrejas ‘ilegais’ na Argélia” .

O Conselho de Direitos Humanos também denuncia o uso de “força física” contra membros da igreja , bem como “intimidação e tratamento discriminatório de representantes da IPA em aeroportos e controles de fronteira”, todos realizados por “autoridades do estado”.

Os relatores “expressam nossa preocupação com a situação dos locais de culto e igrejas filiadas à Igreja Protestante da Argélia (IPA) e o que parece tomar a forma de uma campanha de encerramento administrativo que teria graves consequências para o direito da minoria cristã protestante de se manifestar livremente e praticar sua religião ou crença, inclusive por meio do culto, a realização de ritos e ensino, bem como o direito de seus membros à liberdade de expressão, ambos garantidos pelo direito internacional e pelos artigos 18 e 19 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos (ICCPR) ”.

A carta termina com uma série de perguntas ao governo argelino . “Por favor, explique detalhadamente a base factual e jurídica que justificou o encerramento dos 13 locais de culto e igrejas”, é um deles. “Por favor, forneça informações sobre o procedimento de recadastramento da Igreja Protestante da Argélia, e explique o motivo pelo qual isso não foi finalizado até o momento”, é um segundo. A carta também pede as “medidas tomadas para investigar qualquer violação cometida contra eles [líderes da igreja protestante] e para identificar e punir qualquer pessoa responsável”.

Esta não é a primeira carta deste tipo enviada por relatores de direitos humanos das Nações Unidas ao governo argelino. Em outubro de 2018, uma primeira carta já destacava as preocupações do CDH da ONU sobre a liberdade religiosa no país do Norte da África, denunciando as restrições e a discriminação da comunidade cristã protestante. Então, o governo argelino não respondeu.

A Aliança Evangélica Mundial deverá expressar suas preocupações sobre a situação dos cristãos argelinos ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas na próxima semana.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus