Um padre brasileiro é investigado pela justiça italiana por supostos maus tratos contra membros de uma associação religiosa fundada em Lanciano, cidade localizada na região central do país.

Segundo uma reportagem publicada neste domingo, 3 de março, por um jornal local, ele pode ser acusado ainda este mês por crime de “violência privada”.

O jornal italiano Il Centro informou que a investigação preliminar sobre os atos cometidos pelo padre brasileiro André Facchini, de 38 anos, ex-pároco da igreja de Santo Agostinho, em Lanciano, deve ser concluída antes do previsto.

Até o final de março a Promotoria deve pedir o indiciamento do sacerdote, que foi suspenso pela Igreja de suas funções pastorais.

De acordo com ‘”Il Centro”, sete testemunhas ouvidas pela polícia judiciária comprovaram acusações gravadas em vídeos anônimos de ex-integrantes da associação religiosa Legio Sacrorum, criada por Facchini na igreja de Santo Agostinho.

Eles teriam confirmado que o ex-sacerdote infligia penitências e punições para “salvar as almas” do demônio ou quando os legionários não seguiam as regras ditadas por Facchini. Ele também é acusado de ter chicoteado com um rosário as costas nuas de menores de idade durante uma peregrinação de jovens.

O jornal italiano indica que os investigadores não conseguiram confirmação sobre a prática de benzer roupas íntimas para afastar as tentações de traição em pessoas casadas.

A reportagem afirma que o carismático padre brasileiro influenciava pessoas com problemas pessoais usando confidências que ouvia durante as confissões. Ao que tudo indica, ele simulava entrar em contato com anjos e santos para revelar diante de todos os segredos dos fieis.

Quem ousasse sair da associação, diz o texto, era acusado de ter escolhido “o caminho do demônio”. Algumas pessoas mais frágeis teriam sido obrigadas a recorrer a ajuda psiquiátrica para superar o trauma.

O padre está sob investigação há mais de um ano, depois de ter sido acusado de agressão sexual por um jovem de 27 anos que frequentava sua paróquia.

[b]Fonte: RFI – Portugal[/b]