Livro
Livro "George", que conta a história de um garoto transgênero

Os pais em Oregon expressaram indignação depois que um livro sobre um garoto transgênero foi incluído em uma competição estadual de leitura do terceiro ao quinto ano. Pelo menos dois distritos escolares optaram por não participar da competição por causa da inclusão do livro pró-LGBT.

Mais de 1.000 pessoas assinaram uma petição on – line  pedindo ao estado que abandone o livro infantil de 2015, George,  da lista de leitura do  concurso “Batalha dos Livros”.

O livro, que é escrito por Alex Gino e publicado pela Scholastic, concentra-se na história de um menino biologicamente masculino, da quarta série, que atende pelo nome de Melissa, procurando desempenhar um papel feminino em uma peça da escola.

“Nós não achamos que é um livro apropriado para a idade por uma variedade de razões, e mais do que o aspecto transgênero, quando eles falam sobre revistas sujas e usam a palavra ‘pornô'”, disse Pete Cakebread, pai de um segundo.

Um aluno da Turner Elementary School disse ao The Statesman Journal. “Para os alunos da terceira série que chegam aos 7 anos de idade, esse é realmente o aspecto inadequado desse livro. Muitos deles ficarão curiosos e depois tentarão procurar essa palavra e todos nós sabemos o que pode acontecer na internet quando você digita isso.”

No início de maio, o Distrito Escolar de Cascade tornou-se o segundo distrito do estado (unindo-se ao Distrito Escolar de Hermiston) a desistir da competição anual de leitura  devido a preocupações com o livro.

O superintendente do Distrito Escolar de Cascade, Darin Drill, disse ao “The Oregonian” que a decisão veio depois que os administradores das três escolas de ensino fundamental do distrito decidiram que o livro não era adequado para seus alunos.

“O que eles disseram foi que não é tanto sobre a questão dos transexuais”, disse Drill. “Há algumas cenas no livro que eles sentiram não são apropriadas para alunos da terceira série.”

Debbie Huffaker, mãe de cinco filhos, disse ao The New York Times que sente que o estado está “empurrando uma agenda” para as crianças com a seleção de livros.

“Eu amo a Batalha dos Livros; sou uma grande defensora”, disse ela. “É por isso que quando George entrou na lista eu fiquei tipo ‘Por quê? Por que eles fizeram isso?'”

Suzanne Gallagher, diretora executiva da organização Parents Rights in Education, também falou sobre o livro.

“As crianças leem essas coisas e as adotam como se fossem delas”, disse Gallagher ao The Statesman Journal. “Então, como pai, eu ficaria muito preocupado com meu filho lendo este livro e possivelmente questionando o próprio gênero por causa disso. Isso é um assunto sério.”

Gino, autor do livro e autodeclarado homossexual, disse ao The Wichita Eagle, no ano passado, que aqueles que se opõem ao livro têm “medo de expor as crianças à realidade”.

No início deste ano, o grupo de defesa conservador One Million Moms alertou os pais de  que a editora Scholastic, que realiza feiras e eventos em escolas dos Estados Unidos, “não é segura para seu filho” por causa de livros pró-LGBT como George .

Fonte: The Christian Post